Investidor realiza lucros antes do IPCA-15 e juros curtos fecham em alta – Jornal do Comércio

Os juros futuros de curto e médio prazo fecharam em alta a sessão regula desta quinta-feira (22) refletindo um movimento de realização de lucros após a forte queda nas taxas desde a semana passada. Os vencimentos longos também estiveram para cima durante o dia, mas na reta final dos negócios a entrada de fluxo vendedor aliviou a pressão e as taxas encerraram perto da estabilidade, em meio ainda à aceleração da queda do dólar.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 encerrou em 6,590%, de 6,550% no ajuste da quarta e a do DI para janeiro de 2020 subiu de 7,58% para 7,63%. A taxa do DI para janeiro de 2021 terminou em 8,56%, ante ajuste anterior a 8,53%. A taxa do DI para janeiro de 2023 fechou a 9,45% (mínima), de 9,46%.

Numa quinta-feira sem noticiário nem agenda relevantes, profissionais da área de renda fixa afirmaram que o mercado se dedicou a ajustes técnicos antes da divulgação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15) de fevereiro, na sexta-feira, 23.

“Tivemos um pouco de zerada de posições antes da chegada do IPCA-15. Como as taxas tinham caído muito e o leilão hoje foi grande, ajudou a pressionar um pouco”, disse o operador da Renascença DTVM Thiago Castellan Castro. O Tesouro vendeu todo o lote de 9,5 milhões de LTN e de 1 milhão de NTN-F na operação realizada no fim da manhã.

Nos demais ativos, o dólar à vista atingiu mínimas na última hora, caindo abaixo dos R$ 3,25, ainda em linha com o movimento de baixa visto no exterior. Às 16h28, a moeda caía 0,57%, a R$ 3,2475.

No período da tarde, o Banco Central, em meio às discussões no governo a respeito da possibilidade de se estabelecer um mandato duplo para a autoridade monetária, afirmou ao Broadcast, por meio de sua assessoria de imprensa, que o foco no controle da inflação “tem servido bem ao País” e que “a lei de autonomia do BC deve consagrar o que já existe hoje de fato”.

A instituição afirmou ainda que “o crescimento sustentável é um objetivo do governo como um todo, consequência do aumento de produtividade e eficiência na economia”. “O BC, ao gerar estabilidade monetária e financeira, contribui para o crescimento do País.”

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!