Maioria das bolsas da Europa fecha em baixa – Jornal do Comércio

As bolsas europeias tiveram uma jornada em geral negativa nesta quinta-feira (22), em reação a balanços corporativos e a alguns indicadores que frustraram as expectativas. O fortalecimento do euro durante o pregão também pressionou a ação de exportadoras, em dia de divulgação da ata do Banco Central Europeu (BCE).

A bolsa de Madri, porém, destoou após resultados fortes da Telefónica e fechou confortavelmente no azul, enquanto Paris teve leve alta. O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em queda de 0,20%, em 380,34 pontos.

O dia foi também ainda de avaliação da ata de quarta-feira, 21, da última reunião do Federal Reserve (Fed, o banco central americano). A leitura da maioria dos analistas foi de que o Fed mostra uma postura mais otimista sobre a economia, o que poderia abrir espaço até para quatro altas de juros ao longo deste ano, embora não haja consenso sobre isso. De qualquer modo, a possibilidade de uma política monetária mais restrita do BC americano foi um fator a pressionar as bolsas.

A ata desta quinta-feira do BCE, por sua vez, mostrou que os dirigentes seguem avaliando que a inflação segue fraca. Além disso, o banco central disse que pode rever a comunicação sobre seu programa de estímulos ainda no início deste ano.

Entre os indicadores, alguns frustraram a expectativa. No Reino Unido, uma revisão mostrou que o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu menos que o antes estimado: a alta foi de 0,4% no quarto trimestre ante o terceiro e de 1,4% na comparação anual (de 0,5% e 1,5%, anteriormente). Na Alemanha, o índice Ifo de sentimento das empresas caiu de 117,6 em janeiro a 115,4 em fevereiro, ante expectativa de 117,0 dos analistas.

Entre os balanços em destaque, a Telefónica informou que teve lucro líquido de 693 milhões de euros no quarto trimestre do ano passado, 4,8 vezes o resultado de igual período de 2016. O banco britânico Barclays, por sua vez, teve alta em seu lucro em todo o ano passado para 3,5 bilhões de libras, de 3,2 bilhões de libras anteriormente.

Na bolsa de Londres o índice FTSE 100 fechou em queda de 0,40%, em 7.252,39 pontos. Entre os bancos, Barclays avançou 4,40% após balanço, mas Lloyds caiu 0,77%.

Em Frankfurt, o índice DAX teve baixa de 0,07%, a 12.461,91 pontos. No setor de energia, E.ON teve alta de 2,01%, mas entre os papéis mais negociados Deutsche Telekom caiu 2,37%, Steinhoff cedeu 0,38% e Deutsche Bank teve baixa de 0,99%.

Em Paris, o índice CAC-40 avançou 0,13%, a 5.309,23 pontos. A ação da petroleira Total teve ganho de 0,12%, enquanto o banco Société Générale subiu 0,59%.

Na bolsa de Milão, o índice FTSE-MIB caiu 0,84%, a 22.463,51 pontos. Entre os bancos italianos, Intesa Sanpaolo cedeu 1,28%, BPM recuou 2,00% e UniCredit, 1,97%. O papel da Fiat Chrysler teve baixa de 2,00%. O índice IBEX-35, da bolsa de Madri, se destacou e subiu 0,54%, a 9.876,50 pontos. Após o balanço forte, Telefónica avançou 3,80%, enquanto Santander e Iberdrola subiram 0,12% e 1,70%, respectivamente. Já CaixaBank caiu 0,96%. Em Lisboa, o índice PSI-20 teve queda de 0,32%, a 5.450,52 pontos. O papel da Jerónimo Martins recuou 0,51%. 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!