Meirelles: Abandono de Previdência terá impacto de até R$ 19 bi – Exame

O ministro afirmou que não reformar a Previdência neste ano exigirá um corte de despesas em outras áreas da administração pública

Por Reuters

access_time 22 fev 2018, 20h50

Brasília – A decisão do governo de abandonar a reforma da Previdência para decretar uma intervenção na segurança pública no Rio de Janeiro provocará um impacto fiscal negativo de 18 bilhões a 19 bilhões de reais no ano que vem, disse nesta quinta-feira em entrevista à rádio CBN o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

Mais cedo, em outra entrevista à rádio Itatiaia, o ministro afirmou que não reformar a Previdência neste ano exigirá um corte de despesas em outras áreas da administração pública no mesmo montante do que seria economizado com a mudança nas regras de aposentadoria.

À CBN, o ministro reforçou que o crescimento da economia levará a um aumento da arrecadação, auxiliando as contas públicas.

No início da semana, o governo federal abandonou a ideia de negociar a reforma da Previdência e apresentou um plano B legislativo com 15 medidas microeconômicas e de aumento da produtividade da economia, entre elas a autonomia do Banco Central e a privatização da Eletrobras.

O ministro da Fazenda defendeu à Itatiaia a importância de que a alteração das regras previdenciárias volte à mesa assim que terminar o período de intervenção.

“De fato temos que aguardar o encerramento da intervenção que, espera-se, pode até ocorrer quem sabe a tempo de votar a Previdência ainda esse ano”, disse.

Questionado sobre projeto de autonomia para o Banco Central, que faz parte do plano B de mudanças legislativas apresentado pelo governo, Meirelles se posicionou a favor da ideia. Ele destacou que isso permitiria ao BC implementar sua política de forma independente, com maior credibilidade, conseguindo controlar a inflação com maior eficácia e taxa de juros mais baixa.

O ministro também defendeu a opção do governo pela intervenção como “absolutamente necessária”, com o presidente Michel Temer agindo “no melhor interesse público”.

Ainda à Itatiaia, o ministro também negou que a Pasta estude aumento de tributos para financiar a segurança pública.

“Não há a menor possibilidade de fazer isso (criação de imposto de segurança). Isso não está em estudo no governo, não está em estudo no Ministério da Fazenda”, disse.

Candidatura

Em relação à candidatura à Presidência da República, o ministro voltou a dizer que tomará uma decisão a respeito até abril. Quando perguntado se toparia continuar à frente da Fazenda num próximo governo, ele sinalizou que descartaria eventual convite.

“Eu acho que essa etapa do ministro da Fazenda é uma etapa cumprida, como eu tive lá atrás, também fui oito anos presidente do BC”, disse.

“Estamos agora contemplando essa nova etapa de uma possível candidatura a presidente da República, que eu não estou pensando nisso agora, como tenho dito. Mas certamente dentro de 40 dias, um pouco mais, estaremos tomando essa decisão de continuar o serviço público, mas aí ampliando bastante o escopo de ação e podendo colaborar com o país, servir o país de uma forma mais eficaz, mais abrangente”, acrescentou.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!