Pacote gera crise entre Legislativo e Executivo – Jornal do Comércio

O pacote de 15 projetos prioritários na área econômica anunciado pelo governo federal na segunda-feira para compensar o adiamento da votação da Reforma da Previdência gerou crise entre os Poderes. Após os presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE) dizerem na terça-feira que desconheciam a lista de medidas elaborada pelo Planalto e que darão prioridade aos projetos já em tramitação nas duas Casas, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou ontem que o Congresso é soberano para pautar suas votações.

“Foram feitas diversas reuniões com parlamentares e o que se fez foi meramente uma seleção entre projetos já em andamento no Congresso. Evidentemente, o Congresso é soberano e compete aos presidentes das Casas definirem a pauta de cada uma”, disse o ministro.

“A lista é algo que analisa e prioriza os diversos projetos de lei que já estão em tramitação”, afirmou, ressaltando que a intervenção federal no Rio de Janeiro impossibilita a tramitação de uma emenda constitucional, o que inviabiliza a reforma da Previdência. “É assunto prioritário, não podia ser adiada. Foi feita no momento certo”, afirmou Meirelles.

O ministro disse que as medidas foram decididas pela equipe econômica do Fazenda e de outras pastas. “Não é uma lista de novos projetos e coisas que nunca se ouviu falar”, disse ele. Meirelles ressaltou que a simplificação do PIS/Cofins, já é um projeto que está em andamento. “Agora estamos formatando e será enviado ao Congresso. É uma questão de priorização”, garantiu o titular da Fazenda.

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun (PMDB), fez um “mea-culpa” pela forma como o Planalto anunciou o pacote. Marun também botou panos quentes e disse que qualquer “mal-entendido” entre o governo e os presidentes da Câmara e do Senado que tenha sido gerado pelo anúncio já foi superado.

Na terça-feira, o presidente da Câmara criticou duramente as medidas. “Não conheço os 15 projetos, nem li, nem vou ler”, disse Rodrigo Maia.

Eunício Oliveira retomou o assunto ontem e disse que a sua relação com o Executivo e com o Judiciário é harmônica: “A minha relação com os dois outros Poderes da República é de harmonia. Eu defendo a harmonia entre os Poderes. Mas sou muito firme na defesa do Poder que eu presido. Então ninguém vai pensar que isso aqui é puxadinho de qualquer outro. Assim como jamais eu teria o atrevimento de achar que eu posso interferir nos outros Poderes. Essa é a posição”, ressaltou.

Oliveira acrescentou que não conversou com o presidente Michel Temer e nem com Marun após a repercussão das declarações feitas na terça-feira com críticas ao anúncio. Sobre as votações na Casa, ele reafirmou a pauta anunciada no início do ano legislativo, que priorizará matérias ligadas à microeconomia e segurança pública. Nesse sentido, destacou que uma das matérias do pacote de segurança que serão priorizados pela Casa é o projeto de lei complementar (PLC) de autoria da senadora Ana Amélia (PP-RS), que proíbe o contingenciamento de recursos do fundo penitenciário. O texto vai substituir proposta de emenda constitucional com o mesmo objetivo que estava tramitando e que não pode ser votada durante a vigência do decreto de intervenção no Rio de Janeiro.

 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!