País tinha 116 milhões de pessoas conectadas em 2016 – Jornal do Comércio

O avanço da telefonia móvel facilitou a comunicação País afora, assim como o acesso dos brasileiros à internet. Cerca de 116 milhões de brasileiros acessavam a internet em 2016, segundo os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua 2016: acesso à internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal (Pnad Contínua – TIC 2016) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O total de conectados equivale a 64,7% da população com 10 anos ou mais de idade. Segundo Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, os brasileiros estão usando a internet como uma forma de comunicação mais barata e alternativa às tradicionais ligações telefônicas.

“Com WhatsApp e outros aplicativos, fica mais barato você passar uma mensagem para alguém, basta estar num guarda-chuva de Wi-Fi. A pessoa pode estar em outro estado, em outro País. Facilita muito, isso aproxima as pessoas que estão distantes”, lembrou Azeredo.

Entre as pessoas que acessaram a rede naquele ano, 94,2% usaram aplicativos e redes sociais para troca de mensagens de texto, voz ou imagens. A segunda finalidade mais citada foi assistir a vídeos, programas, séries e filmes (76,4%), conversar por chamada de voz ou vídeo (73,3%), e enviar ou receber e-mail (69,3%). O estudo mostra ainda que 94,6% dos usuários de internet no País acessaram a rede via telefone celular.

Em todo o País, 138 milhões de brasileiros tinham telefone móvel celular para uso pessoal em 2016. Cerca de 22,9% das pessoas com 10 anos ou mais de idade ainda não tinham celular pessoal; 25,9% consideravam o aparelho caro; 22,1% alegavam falta interesse; 20,6% usavam o celular de outra pessoa; e 19,6% não sabiam usar.

A proporção de desconectados no País ultrapassava um terço da população. Cerca de 65,3 milhões de pessoas com 10 anos ou mais de idade não utilizaram a internet em 2016 (35,3% do total), porque não sabiam usar (37,8%), por falta de interesse (37,6%) ou por considerarem o serviço caro (14,3%).

Mais de 30% dos lares brasileiros ainda estavam desconectados em 2016. Os principais motivos listados para não usar a internet na residência foram falta de interesse (34,8%), custo alto do serviço (29,6%) e desconhecimento dos moradores sobre como navegar na rede (20,7%).

Cerca de 69,3% dos domicílios (48,1 milhões) tinham acesso à internet em 2016, graças à disseminação do acesso à rede via telefone celular. O computador foi o único meio de acesso à internet em apenas 2,3% dos domicílios, mesmo presente em 57,8% deles. Em 77,3% das residências conectadas havia o uso da banda larga móvel (3G ou 4G), superando o da banda larga fixa (71,4%).

O governo pretende distribuir, ainda neste ano, seis milhões de kits conversores para aparelhos de televisão receberem o sinal da TV digital. Desde que começou a campanha de migração do sinal analógico para o digital, já foram entregues cerca de oito milhões de kits, segundo o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (Mctic).

Um levantamento divulgado ontem mostrou o tamanho do desafio enfrentado pelo governo para a adoção exclusiva da TV digital e abolir de vez o sinal analógico em todo o País. Em 2016, 6,9 milhões de lares ainda eram dependentes exclusivamente do sinal analógico para acesso à televisão, segundo a Pnad Contínua – TIC 2016.

O secretário reconheceu que houve atrasos na programação de desligamento do sinal analógico em alguns grupos de municípios, mas defendeu que foram pontuais. Segundo ele, a ausência de reclamações nas regiões em que já houve a migração é prova do sucesso do programa.

O Mctic informou que 1.346 municípios já estarão desligados do sinal analógico até o fim de 2018, o que representa cerca de 70% da população brasileira. Até o fim de 2023, haverá a migração para a TV Digital nos 4.200 municípios restantes.

De acordo com os dados do IBGE, 10,3% das residências com televisão no País não tinham aparelho com conversor, nem recebiam sinal por antena parabólica, nem tinham serviço de televisão por assinatura no ano de 2016. A maior parte dos domicílios que estavam despreparados para o sinal digital se localizava no Sudeste (2,6 milhões) e Nordeste (2,3 milhões).

Em 2016, a televisão estava presente em 67,4 milhões (97,2%) de domicílios, onde havia cerca de 102,6 milhões de aparelhos de TV: 63,4% de tela fina e 36,6% de tubo. A pesquisa abrangeu 211.344 domicílios particulares permanentes em 3,5 mil municípios.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!