Rota 2030 emperra na Fazenda por impasse sobre benefício de P&D – Exame

As áreas técnicas estão trabalhando com a previsão de lançamento da política para o setor automotivo ainda no primeiro trimestre de 2018

Por Leonardo Lara e Telma Marotto, da Bloomberg

access_time 22 fev 2018, 13h14

O Rota 2030, plano que visa estimular e dar previsibilidade ao setor automotivo, está “parado” no Ministério da Fazenda por haver divergências sobre como o governo vai devolver às montadoras parte do que foi investido em Pesquisa e Desenvolvimento, disse Antonio Megale, presidente da Anfavea.

O plano prevê que as empresas gastarão pelo menos R$ 5 bilhões por ano em P&D e caberia ao governo devolver mais ou menos R$ 1,5 bilhão, disse Megale em entrevista no escritório da Bloomberg em São Paulo.

“O problema é a forma de colocar. A Fazenda não quer mais que os recursos sejam devolvidos na forma de créditos tributários, como vinha sendo feito no Inovar Auto”.

Assessoria de imprensa do Ministério da Fazenda disse à Bloomberg que não iria comentar a declaração do presidente da Anfavea sobre o Rota 2030 estar parado na pasta do governo.

Uma definição sobre o Rota 2030 deve ocorrer no final deste mês de fevereiro, disse Megale, atribuindo a informação ao presidente Michel Temer após uma reunião entre os dois ocorrida em dezembro.

A partir das discussões no governo, as áreas técnicas estão trabalhando com a previsão de lançamento da política ainda no primeiro trimestre de 2018, disse um integrante do governo a par das negociações que pediu para não ser identificado por não estar autorizado a falar publicamente sobre as negociações.

Etanol e eletrificação

Diferentemente do Inovar-Auto, plano setorial encerrado em dezembro de 2017, o Rota 2030 não busca incentivo para a venda de carro e sim “algum apoio” do governo para P&D, disse Megale. Sem o apoio, as montadoras podem ser levadas a reduzir suas áreas de pesquisas, disse.

“Se a gente tiver algum incentivo, você consegue desenvolver coisas que são adequadas ao Brasil, por exemplo o etanol”, disse Megale ao defender o biocombustível da cana de açúcar como sendo, atualmente, “o melhor arranjo existente” na questão de emissão de gases estufa CO2.

É fato que os motores dos automóveis serão movimentados por eletricidade e o setor automotivo brasileiro precisa é “entender como essa tecnologia casa com as potencialidades do Brasil”, disse Megale.

“Não podemos destruir nosso canavial e importar bateria produzida de lítio que o cara extrai lá da China, não faz sentido”.

Há várias tecnologias sendo pesquisadas no mundo sobre como colocar energia no carro — bateria, veículos híbridos, células de combustível — e cada país direciona suas pesquisas para a solução que lhe é favorável, segundo Megale. O Brasil precisa desse investimento em pesquisas para usar o potencial do etanol nessa realidade.

“Estamos lutando muito para preservarmos no Brasil pesquisa e desenvolvimento”, disse Megale. “Se a gente não tiver pesquisa e desenvolvimento nessa área no Brasil, ninguém vai fazer por nós no mundo”.

Participação de carros flex nas vendas toais

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!