BC esclarece que é contra o “mandato duplo” – Exame

O Banco Central fez nesta quinta-feira, 22, uma clara defesa do mandato simples, de controle da inflação. A instituição afirmou ao ‘Estadão/Broadcast’, por meio da assessoria de imprensa, que o foco em apenas um objetivo “tem servido bem ao País” e que “a lei de autonomia do BC deve consagrar o que existe hoje de fato”.

A proposta, defendida pelo líder do governo no Senado, Romero Jucá (MDB-RR), coloca um duplo mandato, com meta também de crescimento (ou geração de empregos).

Desde que assumiu o Banco Central, em meados de 2016,o presidente do BC, Ilan Goldfajn vem defendendo, quando questionado sobre o assunto, o mandato único para o BC.

Para ele, ao controlar a inflação por meio da Selic (a taxa básica de juros), o BC contribui para a sustentabilidade do crescimento no longo prazo.

Além disso, segundo apurou a reportagem, dentro do BC existe a avaliação de que com apenas uma ferramenta – a Selic – não se deve estabelecer duas metas conflitantes no curto prazo: inflação e crescimento.

Na quinta-feira, 22, Goldfajn voltou a demonstrar oposição ao duplo mandato, embora esteja discutindo, como é de se esperar, os vários aspectos da proposta de autonomia com o governo e o Congresso.

Pela manhã, ele esteve no Palácio do Planalto em reunião com o presidente Michel Temer e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Na reunião, eles trataram das 15 medidas anunciadas como prioritárias, com destaque justamente para a autonomia do BC.

Conversas como essa também fazem parte da estratégia do BC de convencimento sobre os riscos de algumas sugestões, como a do mandato duplo. Ex-presidentes e ex-diretores do BC já haviam alertado que o duplo mandato representará um retrocesso.

Isso porque, ao mirar na geração de empregos, o Banco Central pode ter problemas no controle da inflação. Economistas de fora do BC lembram que há ampla literatura econômica que corrobora isso.

Simples. “O BC opera sob o regime de metas de inflação desde 1999 (à semelhança de muitos países no mundo), com foco no objetivo de inflação, o que tem servido bem ao País”, afirmou a instituição, em nota. “A lei de autonomia do BC deve consagrar o que já existe hoje de fato”.

A pressão para o estabelecimento de mandato duplo vem de Jucá e da “ala política” do governo – não da “ala econômica”. Um eventual anúncio de que o BC vai buscar também o crescimento poderia passar uma mensagem positiva para a população, ainda mais em ano eleitoral.

A circulação da proposta de mandato duplo no Congresso, aliás, não é novidade. Um dos defensores dessa ideia é o senador Lindbergh Faria (PT-RJ). Em 2011, o senador fazia pressão para que um projeto seu neste sentido fosse aprovado.

Foi preciso que o então presidente do BC, Alexandre Tombini, conversasse diretamente com Lindbergh sobre a inconveniência da proposta.

Na época, a Presidência da República era ocupada por Dilma Rousseff, filiada ao mesmo partido de Lindbergh. Sua proposta acabou não indo para frente. O assunto esfriou, mas agora está de volta. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!