Juro curto mexe pouco com IPCA-15, enquanto taxas longas recuam após CMN – Jornal do Comércio

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15) em linha com a mediana das projeções do mercado deixa as taxas curtas com viés de baixa. Já os juros mais longos recuam após a decisão do Conselho Monetário Nacional (CMN) de extinguir daqui a dois anos o prazo médio de repactuação mínimo (PRC) para os títulos de renda fixa dos fundos de investimento especialmente constituídos (FIE) de seguradoras e entidades abertas de previdência complementar, disse um operador de renda fixa.

O IPCA-15 de fevereiro mostrou alta de 0,38%, de 0,39% em janeiro, vindo em linha com a mediana das estimativas do Projeções Broadcast. O número corrobora para um cenário de corte de 0,25 ponto porcentual da Selic em março, segundo o mesmo operador.

Com o resultado anunciado nesta sexta-feira (23) o IPCA-15 acumulou nos 12 meses encerrados em fevereiro alta de 2,86%. No ano, o índice registrou aumento de 0,77% até fevereiro. A variação no acumulado do ano é a menor desde a implantação do Plano Real. Em fevereiro do ano passado, o IPCA-15 tinha subido 0,54%.

Às 9h34min, o DI para janeiro de 2019 estava em 6,580%, de 6,590% no ajuste de quinta. O DI para janeiro de 2020 marcava 7,61%, de 7,63% no ajuste anterior. O vencimento para janeiro de 2021 estava em 8,50%, de 8,56% no ajuste de quinta. O DI para janeiro de 2023 marcava 9,34%, de 9,45% no ajuste na véspera.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!