Volks admite que excedeu acordo com a Argentina – Jornal do Comércio

A Volkswagen admitiu que é uma das montadoras que têm excedido os limites do acordo comercial entre Brasil e Argentina para veículos e autopeças. O documento diz que, para cada US$ 1 que os argentinos exportam para o mercado brasileiro, o caminho inverso tem de ser de até US$ 1,5. Esta relação é chamada pelos dois governos de “flex”.

Como a demanda de consumidores brasileiros enfrentou uma forte queda durante a crise econômica, a necessidade de importar carros argentinos também despencou. Por outro lado, as vendas no país vizinho têm crescido nos últimos anos, o que tem estimulado as exportações brasileiras para lá. Tal desequilíbrio tem levado o “flex” de todo o setor a atingir algo um pouco acima de US$ 2.

Com a balança desfavorável para a Argentina, o presidente Mauricio Macri reagiu exigindo que as filiais argentinas das montadoras responsáveis por esse excesso depositassem uma garantia, que corresponde a uma antecipação da multa que terá de ser paga quando o acordo expirar, em junho de 2020. Se o desequilíbrio permanecer depois do fim do acordo, a garantia é executada.

A “confissão” da Volkswagen foi feita nesta quinta-feira pelo presidente da montadora para a região da América do Sul, América Central e Caribe, Pablo Di Si, antes de participar de evento de lançamento da nova versão da picape Amarok, em São Paulo. O executivo, no entanto, minimizou a questão, alegando que o excesso já estava no planejamento da empresa e que, antes do fim do acordo, o equilíbrio comercial entre os dois países será retomado, com o “flex” sendo respeitado.

Di Si explicou que, no caso da Volkswagen, o excesso é causado pelo segmento de caminhões. Segundo ele, a montadora consegue realizar uma troca equilibrada entre os dois países no comércio de veículos leves, uma vez que tanto a fábrica da Argentina quanto as fábricas do Brasil têm produção nesse segmento. O problema está nos caminhões, já que só o Brasil produz e exporta caminhões.

O executivo não quis informar qual é o tamanho do excesso da Volkswagen nem qual é o valor cobrado pelo governo argentino como garantia, mas disse que a empresa não está entre os piores casos. “Se olharmos o filme como um todo, tem montadoras que estão muito acima”, afirmou Di Si, sem revelar os nomes das empresas.

A garantia cobrada pelo governo argentino é referente ao período que vai de julho de 2015, quando teve início a última renovação do acordo, até junho de 2017, quando esta renovação completou dois anos. Nesse período, o “flex” ficou em US$ 1,8. Em julho de 2017, a Argentina publicou resolução na qual avisou que vai cobrar as garantias das empresas. Mesmo assim, desde então, o “flex” continua acima do limite de US$ 1,5, chegando a mais de US$ 2.

O presidente da Volkswagen disse também que pretende reequilibrar esta proporção a partir de um aumento das importações de carros produzidos na Argentina, em vez de reduzir as exportações brasileiras para lá. “Será uma situação de ganha-ganha”, afirmou, explicando que essa estratégia será beneficiada pelo crescimento do mercado brasileiro, que vai demandar mais carros argentinos.

Além da Volkswagen, a GM e a Fiat também admitiram que estão excedendo o flex. A GM informou que está apenas “um pouco acima” do limite e disse que, por isso, a garantia cobrada pela Argentina é irrisória, de US$ 25 mil. A Fiat afirmou que vai reequilibrar o comércio entre os dois países por meio da importação de um novo modelo que será produzido na Argentina, o Cronos. Quatro montadoras disseram que não estão superando o “flex”: Ford, Honda, Toyota e Scania. As demais empresas não deram uma resposta.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!