J&F começa a negociar novo acordo de leniência – Jornal do Comércio

Representantes do grupo J&F, dono da JBS, se reúnem pela primeira vez na próxima terça-feira (27) com procuradores da força-tarefa Greenfield para negociar uma repactuação do acordo de leniência. Em maio de 2017, o grupo assinou com o Ministério Público Federal (MPF) um acordo que previa o pagamento de R$ 10,3 bilhões por conta de possíveis crimes praticados por suas empresas.

Considerado o maior acordo da história, a leniência da J&F foi posta em xeque após os acordos de colaboração premiada de seus principais acionistas, Joesley e Wesley Batista, serem rescindidos pela Procuradoria-geral da República.

Em outubro no ano passado, o MPF abriu um procedimento administrativo para investigar se a J&F descumpriu as cláusulas do acordo firmado em junho de 2017. O motivo do possível descumprimento seria a sonegação de informações sobre uso de informações privilegiadas para obter lucros indevidos (insider trading) à época da divulgação do acordo de delação premiada dos irmãos Batista.

A repactuação terá como base as cláusulas e o valor já acordado. Por conta das omissões da empresa no primeiro acordo, o valor será aumentado e podem ser incluídas cláusulas mais duras para a empresa. A nova negociação deve incluir o crime de insider trading que teria sido praticado pelos irmãos Joesley e Wesley Batista. Segundo a investigação da Polícia Federal, às vésperas do vazamento da delação, Joesley determinou a venda de 42 milhões de ações da JBS a R$ 372 milhões. Ao mesmo tempo, a própria JBS, presidida por Wesley, passou a recomprar esses papéis, diluindo as perdas com a desvalorização das ações no momento em que a delação fosse divulgada.

Além disso, um dia antes da delação dos executivos da JBS vazarem, a empresa foi a segunda maior compradora de dólar no Brasil, segundo a PF. Segundo o MPF, somente as operações em dólar somaram R$ 3 bilhões, rendendo lucro de US$ 100 milhões aos empresários.

A primeira reunião para repactuação deve contar com a presença de representantes dos fundos de pensão dos funcionários da Petrobrás (Petros) e da Caixa (Funcef) e dirigentes do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Representantes da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), do Tribunal de Contas da União (TCU), da Advocacia-Geral da União (AGU) e da Controladoria-Geral da União (CGU) também acompanham as negociações, mas ainda não confirmaram presença no encontro. Questionado, o grupo J&F informou que não se manifestará. 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!