Bolsas da Europa sobem, mas fala de Draghi sobre crescimento limita ganhos – Jornal do Comércio

As bolsas europeias fecharam o pregão desta segunda-feira (26), em alta, mas os ganhos poderiam ter sido mais elevados não fosse uma reação dos mercados à afirmação do presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, de que a economia da zona do euro apresentou “crescimento mais forte que o previsto”. No lado positivo da balança, pesou a visão inclinada a juros mais baixos no curto prazo nos Estados Unidos apresentada na última sexta-feira em documento do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Jerome Powell, e o anúncio nesta segunda de que o Partido Trabalhista britânico apoiará a permanência do Reino Unido em uma união aduaneira com a União Europeia após a saída do bloco, o chamado Brexit.

O índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou a sessão com ganho de 0,50%, aos 383,06 pontos.

Na bolsa de Londres, o índice FTSE 100 subiu 0,62%, aos 7.289,58 pontos. Entre as ações em foco, a mineradora Anglo American avançou 3,09% e a varejista Associated British Foods teve alta de 3,06%, após a companhia projetar aumento de vendas na primeira metade do ano fiscal de 2018 em todos os seus segmentos de atuação, exceto o açúcar.

Entidades do empresariado britânico mostraram bom humor ainda com o discurso do líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, em apoio à permanência do Reino Unido em uma união aduaneira com a União Europeia mesmo depois do Brexit. A diretora geral da Confederação da Indústria Britânica (CBI, na sigla em inglês), Carolyn Fairbairn, afirmou que o “compromisso” de Corbyn “com a união aduaneira vai colocar empregos e padrões de vida em primeiro lugar ao manter (o Reino Unido em) uma relação econômica próxima à União Europeia”.

Esse bom humor, contudo, foi limitado em parte pela reação às posições do presidente do BCE. Em um comitê do Parlamento Europeu, Draghi afirmou que a economia na zona do euro apresentou crescimento “mais forte que o esperado”. Uma hora antes do fechamento, os índices das principais bolsas europeias desaceleraram os ganhos, até então liderados pelo mercado em Londres, diante da perspectiva de um aperto monetário antes do esperado.

O índice CAC-40, da bolsa de Paris, subiu 0,51%, a 5.344,26 pontos.

Em Frankfurt, o índice DAX fechou com ganho de 0,35%, a 12.527,04 pontos. As ações da Volkswagen, que na sexta-feira anunciou ter dobrado seu lucro líquido em 2017 ante 2016, avançaram 1,81%. Entre as empresas do setor químico, a Merck subiu 1,07% e a BASF avançou 0,90%.

Os segmentos de tecnologia e comunicações foram favorecidos pelo anúncio das principais operadoras de seus cronogramas para a adoção de redes com tecnologia 5G, a mais inovadora do momento. A espanhola Telefónica avançou 0,86%, a italiana Telecom Itália ganhou 0,82% e a alemã Deutsche Telekom subiu 0,56%.

Na bolsa de Milão, o FTSE-MIB avançou 0,15%, a 22.706,21 pontos. Já em Madri, o índice IBEX-35 fechou em alta de 0,81%, a 9.902,40 pontos.

O índice PSI-20, da bolsa de Lisboa, subiu 0,13%, a 5.476,74 pontos.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!