Brasil exporta coco com película biodegradável – Jornal do Comércio

Graças à tecnologia, o verão europeu será com muito coco brasileiro. A partir de junho, começam a chegar a Portugal cerca de 500 mil unidades do produto. O consumo tão longe do Brasil será possível graças a um revestimento comestível desenvolvido pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa Agroindústria de Alimentos, que pode prolongar em até quatro vezes a vida útil do produto – geralmente, a duração é de 10 dias. O uso dessa tecnologia mantém as características nutricionais do coco natural e a água dentro dele sem alteração de cor ou sabor.

Os cocos da variedade anão-verde, que começaram a ser exportados, são produzidos no Polo de Fruticultura do Vale do São Francisco em Petrolina (PE). “O revestimento atua como uma barreira física e reduz o metabolismo do fruto ao diminuir a respiração, a atividade enzimática e a degradação de açúcares, minerais e vitaminas, mantendo as características sensoriais e garantindo a qualidade microbiológica do fruto e da água”, explica a professora da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (Ufrrj), Josane Resende. Foi ela quem realizou o estudo pioneiro em 2007, com a coorientação dos pesquisadores Antonio Gomes, da Embrapa Agroindústria de Alimentos, e Neide Botrel, da Embrapa Hortaliças.

Na aplicação da tecnologia, os frutos passam pela higienização, antes de serem imersos em uma solução filmogênica à base de um polissacarídeo e outros compostos, que contribuem para a redução da atividade microbiana e a manutenção do valor nutricional. Após a secagem do revestimento, o produto fica pronto para ser embalado e armazenado para exportação ou comercialização no mercado nacional. A composição da solução filmogênica pode variar de acordo com as características fisiológicas do fruto, e não provoca alteração de cor ou sabor.

Dados da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO/ONU) mostram que o Brasil é o quarto maior produtor mundial de coco verde, chegando a quase dois bilhões de unidades por ano. O empresário Edivânio Domingos, da Fazenda Coco do Vale, conta que buscava, há anos, uma tecnologia que mantivesse a qualidade do coco verde in natura e aumentasse com qualidade a sua vida útil. “Essa tecnologia é espetacular, porque é de baixo custo e requer pouca mão de obra. Assim, conseguimos ampliar a vida útil do coco verde para mais de 40 dias, viabilizando sua exportação para países europeus como Portugal, Bélgica e Holanda”, conta o empresário. Para obter esse resultado, ele também seguiu as orientações técnicas da Embrapa Agroindústria de Alimentos sobre a melhor forma de armazenamento dos frutos, além de regulagem de temperatura, umidade e ventilação dos contêineres no processo de exportação.

Durante o verão europeu, o empresário consegue vender a unidade do coco por um valor quase 10 vezes superior ao praticado no Brasil no mesmo período, quando por aqui é inverno. O mercado brasileiro também tem demonstrado interesse no coco verde natural com revestimento, devido ao seu alto valor agregado. O produto já começou a ser vendido para São Paulo e outros estados brasileiros.

“O revestimento pode ser utilizado em diversas frutas, como coco, melão, mamão, manga, melancia e goiaba. É uma tecnologia simples, que o próprio produtor pode aplicar em sua propriedade”, revela Gomes. 

A assinatura de um acordo de cooperação da Anjos do Brasil com o World Business Angel Forum (WBAF), realizada na semana passada em Istambul, vai ampliar as oportunidades de investimento cross-border (entre fronteiras) e apoio para internacionalização de startups brasileiras.

O acordo visa à cooperação para troca de oportunidades de investimento cross-border. As startups brasileiras terão a oportunidade de ter apoio para internacionalização através de investidores conectados pelo WBAF e, por outro lado, os investidores-anjo brasileiros terão acesso a startups internacionais que possam trazer inovações para o Brasil. “Este acordo possibilitará às startups o contato com investidores-anjo nos cinco continentes, agregando não só capital, mas acesso a novos mercados e comprometimento diferenciado por estarem coinvestindo”, afirma o presidente da Anjos do Brasil, Cassio Spina.

 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!