Confiança da construção cai 1,2 ponto em fevereiro ante janeiro, revela FGV – Jornal do Comércio

O Índice de Confiança da Construção (ICST), medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), caiu 1,2 ponto em fevereiro ante janeiro, alcançando 81,4 pontos. Segundo a FGV, a queda do indicador teve influência do menor otimismo dos empresários em relação às perspectivas de curto prazo. O Índice de Expectativas (IE) recuou 3,2 pontos, para 92,7 pontos, devolvendo a alta de janeiro. O otimismo dos empresários com a situação dos negócios nos seis meses seguintes diminuiu 3,3 pontos, para 94,9 pontos.

O coordenador da Sondagem da Construção, Itaiguara Bezerra, avalia que a redução do IE não indica uma mudança definitiva no humor dos empresários do setor, mas é um sinal de que o caminho a ser percorrido “não será fácil”.

“Após oito meses de altas consecutivas, o otimismo dos empresários arrefeceu. Houve um ajuste nas expectativas de curto prazo, mas, de modo geral, o empresariado ainda se mostra confiante com a situação corrente dos negócios”, disse Bezerra nesta segunda-feira (26). 

Apesar da queda nas expectativas, a satisfação dos empresários com a situação atual continua relativamente estável, conforme a FGV. O Índice de Situação Atual (ISA) subiu 0,6 ponto, para 70,5 pontos, o maior nível desde julho de 2015 (71,7 pontos).

Os dois quesitos que integram o subíndice avançaram: o indicador que mede o grau de satisfação com a situação corrente dos negócios teve alta de 0,6 ponto, para 73,7 pontos; e o de percepção em relação à carteira de contratos cresceu 0,7 ponto, para 67,5 pontos.

A melhora do ISA-CST foi puxada pelos segmentos de Infraestrutura e de Serviços Especializados: 0,8 e 1,9 ponto, respectivamente. Já o segmento de Edificações, teve uma queda de 0,1 ponto. “Mesmo com a tímida melhora da situação atual, o quadro ainda é de muita incerteza, principalmente política, o que reflete nas decisões de investimento, tanto do Governo quanto do setor produtivo.” avalia, Itaiguara Bezerra.

O Nível de Utilização da Capacidade (Nuci) do setor da construção caiu 0,7 ponto porcentual, atingindo 65,5%. O Nuci de Mão de Obra e o de Máquinas e Equipamentos tiveram quedas da mesma magnitude.

A edição de fevereiro de 2018 coletou informações de 679 empresas entre os dias 1º e 22 deste mês. A próxima divulgação da Sondagem da Construção ocorrerá em 26 de março de 2018.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!