Juros futuros longos caem, com regra do CMN sobre fundo de Previdência – Valor

SÃO PAULO  –  A queda do juro longo não parece ser uma tendência duradoura, apesar do firme recuo nas últimas duas sessões. Para profissionais de mercado, o movimento já pode estar próximo do fim, pelo menos, até que apareçam indícios de mudanças estruturais no cenário. O ajuste de contas públicas, principalmente após o adiamento da reforma da Previdência, assim como a disputa eleitoral de 2018 são entraves que inibem as apostas para a economia num horizonte mais longo.

A taxa projetada pelo contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2029 caía para 10,040% no fim da sessão regular nesta segunda-feira. Foram 30 pontos-base de queda igualmente divididos em duas sessões. Para efeito de comparação, a magnitude da queda é semelhante à observada no final de janeiro quando o mercado se via positivamente a possibilidade de Luis inácio Lula da Silva (PT) estar mais distante da disputa eleitoral de 2018.

Ao fim da sessão regular desta segunda-feira, a diferença do DI janeiro de 2027 para o DI janeiro de 2021 – trecho que não é tão afetado pelos movimentos de prazos mais curtos – recuou 20 pontos-base em duas sessões, para 140 pontos-base. Esta foi a maior baixa acumulada nesse intervalo desde, pelo menos, o começo de 2017.

O principal motivo do alívio foi técnico, não de fundamentos. O Conselho Monetário Nacional (CMN) anunciou novas regras sobre aplicações de fundos de Previdência e seguradoras para carteiras de renda fixa. O intuito é corrigir distorções no mercado, principalmente na ponta longa dos juros. Com novas regras, a expectativa agora é que fundos de Previdência terão mais liberdade para alocar capital e não precisarão recorrer tanto ao mercado de DI para fazer hedge em suas posições de títulos públicos.

“A curva de juros cedeu bastante nos últimos dias e acaba encontrando um ‘suporte’ importante por causa do problema fiscal”, afirma o estrategista de renda fixa da Renascença, Pedro Barbosa. “A queda das taxas chegou perto do limite, agora o prêmio está muito baixo”, acrescenta.

As atenções se voltam ainda para o cenário internacional e o comportamento dos juros dos Treasuries – títulos do Tesouro americano. O risco, dizem especialistas, é que yield (retorno ao investidor) do título de 10 anos rompa 3% diante de um possível aumento da inflação nos EUA e ritmo mais acentuado de elevação de juros no país.

Nesta terça-feira, o novo presidente do Federal Reserve (Fed) – o banco central americano -, Jerome Powell, se apresenta no Congresso do Estados Unidos. Um tom mais duro de Powell já é esperado para a sessão congressual. Ainda assim, não é prevista uma mudança ainda mais significativa em relação à postura de Janet Yellen, que ocupava a presidência do Fed, nem uma posição clara sobre o número de elevações de juros neste ano.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!