Polo naval gaúcho teme período de estagnação – Jornal do Comércio

Com a partida da plataforma P-74 do estaleiro EBR na sexta-feira, com o estaleiro QGI esperando os cascos provenientes da China para concluir a P-75 e a P-77 e a Ecovix sem encomendas, o polo naval gaúcho entra em um período de ociosidade. O complexo – que, há cerca de quatro anos, chegou a empregar mais de 20 mil trabalhadores -, agora, conta com um pouco mais de 500 pessoas para atuar, fundamentalmente, nas áreas de manutenção e conservação.

“Resta rezar e ter esperança”, afirma o vice-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do Rio Grande e São José do Norte, Sadi Machado. O dirigente critica a postura do governo federal, como controlador da Petrobras, que preferiu que a estatal concentrasse suas encomendas no exterior, desconsiderando uma contratação de serviços com conteúdo nacional. Machado também acusa o governo estadual de omissão quanto à defesa dos interesses do polo naval gaúcho.

O secretário adjunto do Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Evandro Fontana, comenta que a conclusão da P-74 foi importante para Rio Grande, mas a falta de perspectivas para a construção de novas plataformas era uma questão já anunciada pela Petrobras. Conforme o dirigente, a Secretaria do Desenvolvimento tem acompanhado esse assunto com entidades e órgãos como os ministérios de Minas e Energia, da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, e a Fiergs. “Dentro das atribuições do Estado, temos buscado alternativas para superar os efeitos da crise da indústria naval, buscando atrair investimentos”, diz o secretário adjunto. Um exemplo citado pelo dirigente é a nova situação do Distrito Industrial de Rio Grande, liberando para investimentos em áreas que estavam penhoradas.

Já o presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Indústria Naval, deputado federal Henrique Fontana (PT-RS), considerou a saída da plataforma como um dia de tristeza para a comunidade de Rio Grande e São José do Norte, que viu mais um pedaço do polo naval sendo desestruturado. Segundo o parlamentar, o futuro, agora, é incerto, já que não há expectativa de retomada de outras obras. “Precisamos alterar esta política suicida de encomendar plataformas no exterior e exportar nossos empregos, ao invés de garantir empregos dentro do nosso País”, sustenta. A P-74 deixou o estaleiro EBR, em São José do Norte, na sexta-feira pela manhã, com destino ao campo de Búzios I, no pré-sal da Bacia de Santos. A plataforma tem capacidade para produzir até 150 mil barris diários de petróleo e comprimir 7 milhões de metros cúbicos de gás natural ao dia, com uma capacidade de armazenamento da 1,4 milhão de barris.

Com a finalização da P-74, o polo naval somente terá uma atividade mais intensa quando chegarem os cascos das plataformas P-75 e P-77 no estaleiro da QGI, em Rio Grande. Contudo, isso deverá ocorrer apenas no segundo semestre deste ano. Logo após o término dessas duas estruturas, não há mais encomendas confirmadas para serem realizadas no polo naval gaúcho. Apesar do cenário, a prefeita de São José do Norte (PSB), Fabiany Zogbi Roig, tem confiança que particularmente o estaleiro EBR manterá operações no município. “Há boas perspectivas de retomada das atividades de construção de módulos no segundo semestre”, adianta.

A atividade econômica da Região Sul cresceu 0,3% no trimestre encerrado em novembro na comparação com os três meses concluídos em agosto, informou, nesta sexta-feira, o boletim regional do Banco Central (BC), que considera os dados dessazonalizados. “Os indicadores econômicos do Sul apresentaram comportamento irregular, inerente ao processo de recuperação em curso”, afirma o documento do BC.

Na Região Sul, o BC destaca que a retomada do emprego ajudou a aumentar as vendas do comércio e a impulsionar as operações de crédito no trimestre de setembro a novembro, em relação ao período imediatamente anterior. “Também o segmento de crédito corporativo aumentou no período, ainda que em ritmo menos intenso”, observa o relatório.

Já a prestação de serviços e a produção industrial vêm registrando flutuações nos resultados de curto prazo e apresentaram queda no período. “Dados para 2017 corroboraram as contribuições positivas da agricultura e do setor externo para a economia da região.” No trimestre encerrado em agosto, a atividade da região também havia crescido 0,3%.

No Norte do País, a atividade econômica apresentou recuo de 0,3% no trimestre encerrado em novembro ante os três meses concluídos em agosto, informou o BC. A entidade ressalta que, na Região Norte, os resultados recentes de indicadores econômicos “reforçam o cenário de recuperação gradual da atividade”, que está disseminada nos diversos segmentos da economia. Mesmo assim, o indicador regional acabou apresentando queda. No trimestre encerrado em agosto, o índice havia avançado 2,4%.

Nos três meses encerrados em novembro, o BC destaca que houve, na região, aumentos das vendas do comércio ampliado, da produção industrial – sobretudo da extrativa -, do volume de crédito e do emprego formal, com efeitos positivos sobre a confiança dos agentes econômicos.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!