Bolsas da Europa fecham em baixa, com Powell e notícias corporativas no radar – Jornal do Comércio

As bolsas da Europa fecharam nesta terça-feira (27) majoritariamente no campo negativo, após operarem sem direção única durante boa parte do pregão enquanto esperavam de sinalizações sobre a política monetária do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Jerome Powell, em seu primeiro depoimento ao Congresso dos Estados Unidos.

Aos deputados americanos, Powell mostrou otimismo com a economia dos Estados Unidos e reconheceu que a inflação vai atingir a meta de 2%. Ele não sinalizou, contudo, quantas altas de juros prevê este ano.

Neste cenário de incerteza em relação à política monetária mundial, o índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou a sessão em baixa de 0,18%, aos 382.36 pontos.

Em Londres, o índice FTSE 100 registrou queda de 0,10%, aos 7.282,45 pontos. Entre as ações com as maiores perdas, a varejista Associated British Foods caiu 2,38%, enquanto a fabricante de produtos de saúde Reckitt Benckiser recuou 2,32%. Mais cedo, o ministro das Finanças do Reino Unido, Philip Hammond, prometeu a parlamentares da Câmara dos Comuns esclarecer em um discurso na semana que vem como ele pretende incluir os setores de serviços e bens de consumo em um acordo comercial com a União Europeia.

No lado positivo, o maior destaque foi a operadora de telecomunicações Sky, que teve alta de 20,50% após a Comcast Corp. anunciar uma oferta de US$ 30,9 bilhões para comprar a empresa britânica. O peso relativo da Sky sobre o FTSE 100, contudo, não foi suficiente para o índice fechar o dia acima da estabilidade.

Também mereceu atenção a valorização do dólar em relação ao euro, sob influência da divulgação antecipada de trechos do discurso do presidente do Fed, mas também de uma leitura um pouco mais fraca que o esperado da inflação na Alemanha.

Além disso, mais cedo, o presidente do Bundesbank e membro do Conselho de Governadores do Banco Central Europeu (BCE), Jens Weidmann, avaliou que a normalização da política monetária vai “exigir bastante tempo”. Para ele, a acomodação monetária precisará ser feita gradualmente, conforme as necessidades, e o recente avanço do euro não muda esse cenário.

A Bolsa de Frankfurt recuou 0,29%, para 12.490,73 pontos, pressionada ainda por uma decisão judicial que abriu às cidades do país a possibilidade de proibir a circulação de carros a diesel, o que levou ações de montadoras ao campo negativo. No índice alemão DAX-30, a Volkswagen perdeu 0,89%, a fabricante de pneus Continental teve baixa de 0,57% e a BMW caiu 0,06%.

As ações da empresa química BASF, também da Alemanha, registraram queda de 2,12%. No início do dia, a companhia divulgou um lucro líquido 123% maior no quatro trimestre do ano passado que em igual período de 2016. Ao comentar os resultados, contudo, o presidente-executivo da multinacional, Kurt Bock, ponderou que a reforma tributária feita nos Estados Unidos poderia encarecer o custo de investimentos para a empresa no país, responsável por quase 25% de suas vendas.

Em Paris e em Madri, os mercados encerraram o dia quase estáveis. Enquanto o índice francês CAC 40 recuou 0,01%, para 5.343,93 pontos, o espanhol Ibex 35 caiu 0,02%, para 9.900,20 pontos.

Em Milão, o índice FTSE MIB avançou 0,08%, para 22.724,46 pontos. Entre os destaques, os bancos Intesa Sanpaolo e UniCredit subiram 0,55% e 1,45%, respectivamente, e a montadora Fiat Chrysler teve alta de 1,32%. Já a Telecom Itália (TIM) registrou baixa de 0,81%.

Na Bolsa de Lisboa, o índice PSI-20 registrou baixa de 0,16%, aos 5.468,05 pontos. (Com informações da Dow Jones Newswires)

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!