Brasil deve ter dois leilões para novas usinas de energia em 2018 – Exame

Segundo EPE, país realizará apenas dois leilões — o certame A-4, agendado para abril, e o A-6, previsto para ocorrer até agosto

Por Rodrigo Viga Gaier, da Reuters

access_time 27 fev 2018, 17h15

Rio de Janeiro – O Brasil deve realizar neste ano apenas dois leilões para a contratação de novas usinas de energia— o certame A-4, agendado para abril, e o A-6, previsto para ocorrer até agosto, afirmou nesta terça-feira o presidente da estatal Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Luiz Barroso.

Em anos anteriores, o país chegou a promover mais licitações para novas usinas, mas o ritmo de contratação tem sido mais lento desde a recessão que atingiu a economia brasileira entre meados de 2014 e 2017.

“Acho que não cabe mais…isso fecharia o cronograma de leilões deste ano”, disse Barroso a jornalistas durante participação em um evento na Associação Comercial do Rio de janeiro.

O leilão A-4, que viabilizará novas usinas para início de operação em 2022, será realizado em 4 de abril. Poderão participar da disputa empreendimentos eólicos e solares, além de hidrelétricas e térmicas a biomassa. O edital do certame foi aprovado nesta terça-feira pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Já o leilão A-6 contratará projetos para fornecimento a partir de 2024, mas as regras para a licitação ainda não foram definidas pelo governo.

O presidente da EPE também defendeu nesta terça-feira que o governo a sociedade voltem a discutir a implementação de projetos hidrelétricos de grande porte, que têm sofrido dificuldades para avançar nos últimos anos devido à resistência de ambientalistas e lentidão nos processos de licenciamento.

A fala foi reforçada pelo diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Luiz Eduardo Barata. Ele defendeu que o país não pode “demonizar” as hidrelétricas, apesar de erros em projetos no passado.

Ano favorável

O diretor-geral do ONS afirmou ainda que o ano de 2018 será mais confortável para o setor elétrico em termos de segurança energética e custos, diante dos bons níveis de chuva nas hidrelétricas no período úmido.

Segundo Barata, os níveis dos reservatórios estão subindo e a perspectiva é de que ao final de novembro atingirão mais de 30 por cento nos subsistemas Centro-Oeste/Sudeste e Nordeste.

Os volumes serão bem maiores que os observados no mesmo período de 2017, quando começa a época das chuvas, comentou.

“Este ano está mais confortável e vai ser melhor que 2017… esse número de 30 por cento é conservador”, disse ele.

“A entrada de Belo Monte (hidrelétrica no rio Xingu) e Madeira (hidrelétricas de Santo Antônio e Jirau) tem ajudado bastante, junto com a chuva”, afirmou o diretor-geral do ONS.

Em novembro de 2017, o armazenamento no Nordeste ficou abaixo de 15 por cento, enquanto o sistema Sudeste/Centro-Oeste operou com perto de 18 por cento da capacidade naquela época.

“Chegaremos em condições muito melhores… (2018) será um ano de menor custo e mais segurança”, destacou.

 

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!