Cais Mauá agora passa a ser administrado pelo grupo Reag – Jornal do Comércio

O Fundo de Investimento em Participações Cais Mauá do Brasil passou, desde ontem, a ser administrado e gerido por empresas do grupo Reag Investimentos, de acordo com decisão em assembleia de cotistas realizada também nesta segunda-feira. O comunicado foi distribuído à imprensa dias antes do início das obras de revitalização, previsto para 5 de março, conforme informou o governo do Estado.

Nesta quinta-feira, o consórcio fará cerimônia para marcar a entrega da ordem de serviço pela prefeitura. O ato que marcará o início das intervenções terá presença do governador José Ivo Sartori e acontecerá a partir das 10h. Na ocasião, será divulgado o cronograma de obras, que deve ter início pelos armazéns tombados, que contarão com intervenções na infraestrutura para que, futuramente, possam abrigar áreas de lazer e alimentação.

A Reag Investimentos se configura como uma plataforma de negócios independente que desenvolve soluções financeiras customizadas. Dispomos de um amplo portfólio de produtos e serviços financeiros que, integrados, nos permitem atender às particularidades de cada segmento de clientes, considerando diferentes objetivos e perfis de risco. As soluções financeiras são estruturadas em sete áreas de negócios, sendo elas empresas de gestão de recursos, securitização e administração de créditos, mercado de capitais, representação e desenvolvimento imobiliário, assessoria financeira, vendas e distribuição.

A Reag está no mercado há cinco anos, e sua gestora conta com mais de 70 fundos ativos, que, juntos, superam os R$ 4 bilhões em patrimônio líquido, o que representa crescimento superior a 100% nos últimos 12 meses. A Reag Gestora de Recursos se configura entre as TOP 100 no ranking de gestores da Anbima, com a 74ª posição em dezembro de 2017. Além disso, está entre as 30 maiores gestoras independentes de recursos no Brasil e lidera, desde 2014, o ranking da Uqbar/Tlon de Estruturadores de Fundos de Investimento Imobiliário (FII).

O investimento estimado na revitalização é de R$ 500 milhões, valor que tem sido projetado desde o anúncio do empreendimento, em 2010, após a oficialização da concessão por 25 anos para o consórcio. O projeto prevê 3,2 mil metros de orla com ciclovia, 10 praças de lazer e mais de 11 mil metros quadrados de área verde. Além de alavancar o turismo e o desenvolvimento do Centro Histórico da Capital, a obra deve gerar 28,8 mil novos empregos diretos e indiretos, assim como tributos municipais, estaduais e federais, na ordem de R$ 216 milhões. Serão, ao todo, 181 mil metros quadrados de área revitalizada.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!