Desaceleração do IGP-M limita ajuste de alta das taxas futuras de juros – Jornal do Comércio

Os juros futuros operavam nos ajustes anteriores na manhã desta terça-feira (27) após exibirem um viés de alta nos primeiros negócios, acompanhando o sinal positivo do dólar e dos juros dos Treasuries. A desaceleração das taxas foi ajudada pelo fraco Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) de fevereiro.

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) desacelerou fortemente neste mês, para +0,07%, após alta de 0,76% em janeiro. Essa taxa é a menor para o mês desde 2012, quando o indicador caiu 0,06%. O resultado veio acima da mediana das estimativas, de 0,01%, calculada pelo Projeções Broadcast, mas dentro do intervalo esperado, que ia de queda de 0,17% a elevação de 0,18%.

Os agentes de renda fixa estão aguardando agora os discursos que o presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), Jerome Powell, fará na Câmara dos representantes, nesta terça (27), e no Senado americano, na próxima quinta-feira (1).

Embora muita gente aposte que Powell poderá manter o discurso “dovish” que vem sendo sinalizado pelo Fed nos últimos dias, há certa cautela por causa dos fortes indicadores econômicos divulgados recentemente nos Estados Unidos.

A curva de juro precificava no fim da tarde de segunda-feira  (26) 53% de chance de corte de 0,25 pp porcentual da Selic em março (de 56% na sexta-feira), e 47% de possibilidade de manutenção da taxa (de 44% antes), segundo cálculos da Quantitas Asset.

Às 9h56min, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para vencimento em janeiro de 2021, mais negociado, tinha taxa de 8,47%, após máxima em 8,51%, ante 8,48% no ajuste de segunda-feira. O DI para janeiro de 2023 estava a 9,27%, após máxima em 9,30%, ante 9,27% no ajuste anterior. No câmbio, o dólar à vista subia 0,28%, aos R$ 3,2353. O dólar futuro de março ganhava 0,33%, aos R$ 3,2350. Em Nova Iorque, o juro da T-Note de 10 anos subia a 2,8742%.

Mais cedo, também foi divulgado que o Índice de Confiança do Comércio (Icom) avançou 0,4 ponto na passagem de janeiro para fevereiro, para 95,5 pontos. Com o resultado, o indicador alcançou o maior patamar desde abril de 2014, quando estava em 97,8 pontos.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!