Dólar sobe ante real, com sinalização do Fed de mais altas nos juros – Valor

SÃO PAULO  –  O dólar voltou a subir frente ao real nesta terça-feira (27), dia de fortalecimento da moeda em todo o mundo após declarações do presidente do banco central americano serem interpretadas como sinal de que os Estados Unidos podem terminar o ano com juros ainda mais altos que o esperado.

Essa possibilidade mexe sobretudo com divisas de países com maior necessidade de financiamento externo. Depois da mais profunda recessão em décadas, o Brasil acabou reduzindo seu déficit em conta corrente, o que deixa o país menos suscetível a repentinas mudanças de expectativas para a política monetária.

No fechamento desta terça-feira, o dólar comercial subiu 0,55%, a R$ 3,2491.

Real se destaca entre emergentes 

Hoje, o real foi na contramão da tendência recente e mostrou desempenho melhor que seus pares emergentes. Além da confortável situação das contas externas, evidenciada na segunda (26) pelos dados de janeiro, a moeda brasileira também tem menos espaço para cair neste fim de mês, por já registrar queda mais acentuada no período. Com a aproximação do fim do mês, investidores fecham os “books” e realizam lucros, movimento que parece afetar o rand sul-africano e o rublo russo, por exemplo.

Chama atenção ainda a dificuldade do dólar para cravar novas máximas ante a moeda brasileira. Um sinal gráfico baixista se formou no último dia 22, quando a máxima alcançada pelo dólar (R$ 3,2734) ficou abaixo do pico anterior, de R$ 3,3183, marcado em 9 de fevereiro.

O gestor de um fundo multimercado destaca que os dados de ontem das contas externas referendam cenários de menor risco ao real no curto prazo. Mas ele pondera que o câmbio seguirá oscilando ao sabor do humor global. “Tenho um viés mais positivo com o real neste estágio e próximo a 3,25 [por dólar], mas mantenho a visão de que ele deverá permanecer em uma banda entre 3,10 e 3,30 [por dólar] no horizonte relevante de tempo”, afirma.

Dizer que o real está menos vulnerável à dinâmica dos juros no mundo, porém, não significa que o câmbio doméstico está imune aos efeitos da política monetária mais apertada no mundo desenvolvido.

Se a balança de pagamentos fornece justificativa para uma taxa cambial menos depreciada, por outro lado não passa despercebida a queda do juro “extra” disponibilizado pelo Brasil em relação aos Estados Unidos, por exemplo, que chama ainda mais atenção quando se considera a grave crise fiscal brasileira. Em outras palavras, o Brasil tem oferecido menos incentivo para investidores migrarem aplicações de fora para cá

John Hardy, estrategista-chefe de câmbio do dinamarquês Saxo Bank, diz que, com o “colapso” da Selic de 14,25% ao ano para os atuais 6,75%, ficou “muito mais barato” fazer “hedge” de posições nos ativos brasileiros – e uma das formas mais comuns dessa proteção é via compra de dólar/venda de real.

Citando ainda as incertezas sobre o cenário político doméstico e o risco de os preços das commodities recuarem, o estrategista resume: “O real tem um longo caminho antes de ensaiar qualquer recuperação neste ano”.

27/02/2018 18:07:48

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!