Eletrobras tem aval da Petrobras para vender distribuidora no AM – Exame

Segundo fonte, a operação de cisão de ativos precisava do aval da Petrobras devido a um contrato de fornecimento de gás

Por Luciano Costa, da Reuters

access_time 27 fev 2018, 16h37

São Paulo – A Eletrobras e Petrobras chegaram a um entendimento sobre uma dívida bilionária que permitirá à elétrica estatal avançar com a privatização de sua distribuidora de energia responsável pelo fornecimento no Amazonas, disse à Reuters nesta terça-feira uma fonte do governo com conhecimento do assunto.

Para preparar a venda da distribuidora do Amazonas, que deve acontecer até o final de abril, a Eletrobras precisa cindir os ativos de geração e transmissão da empresa para uma nova subsidiária, a Amazonas GT, que seguirá estatal. A operação precisava do aval da Petrobras devido a um contrato de fornecimento de gás assinado entre elas.

A Petrobras vinha se negando a aceitar a transferência do contrato com a distribuidora para a Amazonas GT devido a dificuldades em fechar um acordo com a Eletrobras sobre quase 20 bilhões de reais em dívidas pelo fornecimento de combustíveis no Estado.

“A Petrobras tinha que concordar com a transferência dos contratos (da Amazonas Distribuição para a Amazonas GT). Para ela concordar, tinha que resolver o problema da dívida passada, e elas chegaram a um entendimento”, disse a fonte, que falou sob a condição de anonimato.

Segundo a fonte, há um reconhecimento entre as empresas sobre uma dívida de 17 bilhões de reais que a Eletrobras precisará quitar junto à Petrobras, e agora estão sendo discutidos “prazo, carência e taxa” a serem praticados na cobrança.

Existe ainda uma cobrança pela Petrobras de mais 3 bilhões de reais junto à Eletrobras, mas essa dívida segue alvo de discussão entre as companhias.

“Essa é uma questão em que elas ainda não concordaram e continuarão discutindo”, disse a fonte.

Ainda assim, o pré-acordo entre a petroleira e a Eletrobras permitiu à diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovar nesta terça-feira condições para a cisão dos ativos de geração e transmissão da Amazonas Distribuição, a chamada “desverticalização”.

A agência deu um prazo até o final de abril para a conclusão da desverticalização, que envolverá a assunção pela Amazonas GT de usinas térmicas e um contrato de gás que pertenciam à Amazonas Distribuição.

Uma resolução do Conselho do Programa de Parceria de Investimentos (CPPI) sobre a privatização das distribuidoras da Eletrobras afirmava que a desverticalização precisaria ser concluída até 2 de março, mas a fonte do governo disse que não haverá problemas para seguir com a operação.

“O importante era o acordo entre Eletrobras e Petrobras e isso foi fechado. Isso (prazo) não tem problema”, disse a fonte, sem detalhar.

Além do Amazonas, as seis distribuidoras que a Eletrobras quer vender até o final de abril atendem Acre, Alagoas, Roraima, Rondônia e Piauí.

Como as empresas são fortemente deficitárias, a Eletrobras já havia concordado anteriormente a assumir 11,2 bilhões de reais em dívidas das distribuidoras para viabilizar a venda.

A privatização de cada empresa será realizada por um preço simbólico de 50 mil reais, associado a obrigações de investimento e aporte de recursos nas distribuidoras.

Procuradas, a Petrobras e a Eletrobras não se manifestaram imediatamente sobre o assunto.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!