Gasto de brasileiro no exterior chega a US$ 2 bilhões – Jornal do Comércio

contas externas


Notícia da edição impressa de 27/02/2018.
Alterada em 26/02 às 21h15min

Gasto de brasileiro no exterior chega a US$ 2 bilhões

Emprego e renda em recuperação contribuíram para o resultado

/TREVOR COLLENS/AFP/JC

Os gastos de brasileiros em viagens ao exterior chegaram a US$ 2,002 bilhões em janeiro deste ano. Esse foi o maior resultado desde janeiro de 2015, quando ficou em US$ 2,239 bilhões. Os dados foram divulgados ontem pelo Banco Central (BC).

Em janeiro de 2016, esses gastos ficaram em US$ 1,579 bilhão. Em todo o ano passado, os brasileiros gastaram US$ 19,002 bilhões no exterior. O chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha, afirmou que esse aumento das despesas é consequência da alta da renda e do emprego, em recuperação a partir do segundo semestre de 2017. Rocha disse que a melhora da renda dos brasileiros estimula as demandas interna e no exterior. As receitas de estrangeiros no Brasil ficaram em US$ 779 milhões no mês passado. Com esses resultados, houve déficit na conta de viagens, de US$ 1,223 bilhão, em janeiro. 

Nos dados preliminares deste mês, até o dia 22, a conta de viagens ficou negativa em US$ 649 milhões, com despesas de brasileiros no exterior em US$ 1,041 bilhão e receitas de estrangeiro em US$ 491 milhões.

 

Investimento Direto no País soma US$ 6,466 bilhões

Os Investimentos Diretos no País (IDP) somaram US$ 6,466 bilhões em janeiro. O resultado ficou dentro das estimativas apuradas pelo Projeções Broadcast, que iam de US$ 3,5 bilhões a US$ 12,2 bilhões, mas muito acima da mediana que indicava expectativa de ingresso de US$ 3,75 bilhões. Pelos cálculos do Banco Central (BC), o IDP de janeiro indicaria entrada de US$ 3,5 bilhões.

A estimativa do BC para este ano, atualizada em dezembro, é de US$ 80,0 bilhões de IDP. No acumulado dos 12 meses até janeiro deste ano, o saldo de investimento estrangeiro ficou em US$ 65,339 bilhões, o que representa 3,17% do Produto Interno Bruto (PIB). Em igual período de 12 meses até janeiro de 2017, a conta somava 4,64% do PIB.

O Banco Central informou que a taxa de rolagem de empréstimos de médio e longo prazos captados no exterior ficou em 94% em janeiro. Esse patamar significa que não houve captação de valor suficiente para renovar todas as dívidas que venciam no mês. O resultado ficou abaixo do verificado em janeiro do ano passado, quando a taxa havia sido de 112%.

De acordo com os números apresentados nesta segunda pelo BC, a taxa de rolagem dos títulos de longo prazo, antes chamados de “bônus, notes e commercial papers”, ficou em 384% em janeiro. Em igual mês de 2017, havia sido de 9%. Já os empréstimos diretos atingiram 79% no mês passado ante 135% de janeiro do ano anterior. O BC estima taxa de rolagem de 100% para 2018.

O investimento estrangeiro em ações brasileiras somou US$ 4,110 bilhões em janeiro, informou o Banco Central. Em igual mês do ano passado, o resultado havia sido positivo em US$ 962 milhões.

Pelos cálculos do BC, o saldo das operações de investidores estrangeiros no mercado brasileiro de ações será positivo em US$ 5,0 bilhões em 2018.

Já o saldo de investimento estrangeiro em títulos de renda fixa negociados no País ficou positivo em US$ 5,968 bilhões em janeiro. No mesmo mês do ano passado, havia ficado positivo em US$ 502 milhões. Para 2018, a estimativa do BC é de saldo neutro nas operações com renda fixa.

 

Setor externo registra déficit de US$ 4,31 bilhões

Após o déficit de US$ 4,327 bilhões em dezembro, o resultado das transações correntes ficou negativo em US$ 4,310 bilhões em janeiro deste ano. O Banco Central (BC) projetava, para o mês passado, déficit em conta de US$ 5,3 bilhões. O número ficou dentro do levantamento realizado pelo Projeções Broadcast, que tinha intervalo de déficit de US$ 6,200 bilhões a US$ 3,500 bilhões, com mediana negativa de US$ 5,063 bilhões. A estimativa atual do BC, atualizada em dezembro, é de que o rombo externo de 2018 seja de US$ 18,4 bilhões.

A balança comercial registrou saldo positivo de US$ 2,398 bilhões em janeiro, enquanto a conta de serviços ficou negativa em US$ 2,763 bilhões. A conta de renda primária também ficou deficitária, em US$ 4,119 bilhões. No caso da conta financeira, o resultado ficou negativo em
US$ 3,673 milhões.

Já nos últimos 12 meses até janeiro deste ano, o saldo das transações correntes está negativo em US$ 8,987 bilhões, o que representa 0,44% do Produto Interno Bruto (PIB). Em igual período de 12 meses até janeiro de 2017, o déficit externo era equivalente a 1,31% do PIB.


Seja o primeiro a comentar esta notícia

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!