Embraer espera ter definição do eventual negócio com Boeing no 1º semestre – Jornal do Comércio

A Embraer espera ter uma definição sobre um eventual negócio com a Boeing ainda neste primeiro semestre, informou nesta quarta-feira (28) o presidente da companhia brasileira, Paulo Cesar de Souza e Silva. Segundo ele, embora esse seja um acordo complexo, o mercado demanda uma resposta rápida e precisa ter claro se haverá ou não parceria. Desse modo, as negociações com a fabricante norte-americana não deveriam se alongar por muito mais tempo, afirmou. “Mas não há uma data específica.”

Ainda de acordo com o executivo, a saída de Raul Julgmann da pasta da Defesa não afeta negativamente as negociações. “O grupo técnico e o governo estão bem focados em realmente achar uma solução, em analisar. Eu acho que não vamos perder em nada com a saída do ministro, que estava realmente liderando, mas não quer dizer que o novo entrante não possa liderar da mesma forma”. Silva ainda não conversou com o novo ministro, e disse não saber sua posição em relação à possível combinação com a Boeing.

O presidente da Embraer reafirmou que ainda não existe estrutura definida para esse eventual acordo, e salientou que não há motivo para preocupação com demissões e enxugamento de operações no Brasil. “O projeto é justamente o contrário, para tornar a Embraer maior”, destaca Silva, acrescentando que a parceria resultaria na “maior empresa aeroespacial do mundo”.

A Embraer recebeu nesta quarta-feira a certificação de três autoridades aeronáuticas para a operação comercial da aeronave E190 E2, a primeira da nova geração dos E-Jets. Além da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), também deram seus atestados ao jato a Agência Europeia para a Segurança da Aviação (EASA, na sigla em inglês) e o órgão americano Administração Federal de Aviação (FAA, na sigla em inglês).

De acordo com o presidente da fabricante, com os três certificados conquistados, a Embraer estabelece um novo patamar na indústria. Em discurso na sede da empresa, Silva ressaltou ainda que o programa da segunda geração dos E-Jets está “rigorosamente” dentro do cronograma e também dentro do orçamento, algo que a “indústria não tem feito mais”.

Programada para abril, a primeira entrega do E190 E2 será para a companhia escandinava Widerøe, que atua no mercado de aviação regional e começará a operar o novo jato regularmente no mesmo mês.

A Widerøe assinou um contrato com a Embraer para até 15 jatos E2, sendo três pedidos firmes para o E190-E2 e direitos de compra para 12 aeronaves da nova geração. O pedido tem um preço de lista potencial de até US$ 873 milhões, se todos os direitos de compra forem exercidos.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!