Laticínio Itambé recorre a arbitragem contra a Vigor – Jornal do Comércio

A Itambé abriu uma nova disputa contra a Vigor acusando a antiga sócia de “roubar” um contrato de venda de leite em pó para a Venezuela. A empresa mineira pede um ressarcimento de R$ 400 milhões. A arbitragem, iniciada nesta semana, é mais um capítulo da guerra entre duas gigantes do setor lácteo: a francesa Lactalis, que comprou a Itambé, e a mexicana Lala, que adquiriu a Vigor.

No novo processo, a Itambé relata que passou a vender leite em pó para a Venezuela em dezembro de 2013, após a J&F fechar um contrato para fornecer carne, frango e leite para o país de Nicolás Maduro. Holdins dos irmãos Joesley e Wesley Batista, a J&F é a antiga controladora da Vigor.

O negócio foi fechado diretamente por Joesley, que recebeu uma missão da Venezuela chefiada por Diosdado Cabello, um dos homens fortes do chavismo. Joesley teria sido apresentado a Cabello pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Como a Vigor não produz leite em pó, o contrato foi repassado à Itambé, que fornecia diretamente ao governo da Venezuela e pagava uma comissão de 3% para a J&F. A Itambé recebia US$ 5,8 mil por tonelada do produto, o equivalente a R$ 20 mil.

Em junho de 2015, o contrato com a Venezuela foi transferido para a Vigor, que comprava o leite em pó da Itambé e de outros laticínios brasileiros. A Vigor passou a pagar à Itambé R$ 12 mil por tonelada, preço praticado no mercado interno.

Segundo pessoas que acompanham de perto o assunto, mas que pediram anonimato, a carga de leite em pó saía direto da fábrica da Itambé em Uberlândia (MG) para o porto de Santos (SP) e sequer passava pelas instalações da Vigor.

O esquema perdurou por oito meses. A Itambé, agora, cobra da Vigor a diferença entre os preços internacional e doméstico no período, o equivalente a cerca de R$ 400 milhões.

O argumento da empresa mineira é que a Lei das Sociedades Anônimas impede o acionista controlador de se apropriar de uma boa oportunidade de negócio da sua controlada. Embora tivessem partes iguais no negócio, o voto de minerva em decisões polêmicas era da Vigor.

Essa é a quarta disputa judicial entre Vigor e Itambé, que começou quando a Lala adquiriu a Vigor da J&F. Quando fecharam o negócio, os mexicanos também pretendiam levar a Itambé, que pertencia 50% à Vigor e 50% à CCPR (Cooperativa de Produtores Rurais de Minas Gerais).

Mas não conseguiram, porque a cooperativa exerceu seu direito de preferência, recomprou a parte dos irmãos Batista na Itambé e vendeu a empresa no dia seguinte para a Lactalis. A Lala, agora, acusa a CCPR de romper o acordo de acionistas por não ter informado ao seu sócio, a Vigor, que também pretendia vender sua parte na Itambé.

O imbróglio já rendeu uma arbitragem privada e duas disputas na Justiça, que correm em sigilo. Até agora, o negócio entre a CCPR e a Lactalis não foi concretizado. Procuradas, Vigor, Itambé e J&F não se pronunciaram.

 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!