OCDE: Brasil deve crescer 2,2%, mas falta de reforma é risco – Exame

O documento alerta para as dificuldades de manutenção da regra de gastos sem a reforma da Previdência

Por Estadão Conteúdo

access_time 28 fev 2018, 11h27

Brasília – A Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) projeta que a economia brasileira crescerá 2,2% em 2018 e 2,4% em 2019.

Os dados constam do documento “Relatórios Econômicos OCDE: Brasil 2018”, divulgado nesta quarta-feira, 28, pela entidade.

O secretário-geral da instituição, Angel Gurría, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, detalham o estudo nesta data em Brasília.

O documento avalia que a retomada do crescimento foi iniciada em 2017, após oito trimestres consecutivos de queda. “Espera-se que o crescimento fique mais forte em 2018 e 2019”, aponta o relatório.

“Pressupondo a implantação de uma parte substancial dos atuais projetos de reforma, a confiança e as condições de crédito facilitadas darão apoio ao investimento.”

As projeções da entidade para os investimentos são de 2,5% este ano, após registrar 2,5% negativos em 2017, e de 2,7% no ano que vem. O consumo privado deve avançar 3% neste ano e 2,5% no ano que vem e a taxa de desemprego deve recuar dos 12,7% em 2017 para 11,2% em 2018 e 9,4% em 2019.

Riscos

Essas projeções, no entanto, correm o risco de não se concretizarem se não forem seguidas à risca medidas na área fiscal. “Se o novo teto de gastos não for seguido, uma dinâmica fiscal insustentável poderia reduzir a confiança e disparar a volta da recessão”, alerta.

O documento alerta também para as dificuldades de manutenção do crescimento sem a reforma da Previdência, “sem a qual a regra de gastos não será cumprida no médio prazo”. “Será a prova dos nove para a capacidade das autoridades de implantar mais reformas estruturais.”

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!