Reclamações sobre serviços de telecomunicações caem 17,5% em janeiro – Jornal do Comércio

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) registrou em janeiro redução de 17,5% no número de reclamações de usuários de serviços de telecomunicações, na comparação com o mesmo período do ano passado.

Os dados, divulgados hoje (28) pela Anatel, mostram que em janeiro foram registradas 270,7 mil reclamações, 57,5 mil a menos do que em igual mês do ano passado.

A telefonia móvel apresentou a maior queda, de 21,3%, com 34 mil reclamações a menos.

Entre os usuários do serviço pós-pago, em janeiro, o maior percentual de queixas foi relativo a cobranças na conta, com 48,03% do total de reclamações. Em segundo lugar, ficaram as queixas relativas às ofertas e promoções (10,20%) e, em terceiro, as relacionadas à qualidade, funcionamento e reparo (10,01%).

Já entre os usuários de aparelhos pré-pagos, o principal motivo de queixa diz respeito a problemas com crédito, que totalizaram 44,51%. Em seguida aparecem reclamações relativas a ofertas e promoções (18,63%). Já as queixas sobre qualidade, funcionamento e reparo representaram 14,57% do total.

A telefonia fixa apresentou redução de 16,9%, como 12,6 mil queixas a menos. As reclamações sobre cobrança aparecem em primeiro lugar, com 36,74%; seguida das queixas sobre qualidade, funcionamento e reparo, com 23,91%, e sobre cancelamento, com 9,08%.

Já a TV por assinatura registrou 3,7 mil queixas a menos, redução de 9%. O item relativo a cobranças, mais uma vez, aparece na frente com 44,44%. O bloqueio ou suspensão do serviço aparece como o segundo motivo de queixa dos usuários do serviço, com 11,57% das reclamações; qualidade, funcionamento e reparo representaram 10,16% das queixas.

No serviço de banda larga fixa, houve redução de 15%, com 7,7 mil reclamações a menos. Qualidade, funcionamento e reparo foram os principais motivos de queixas dos usuários, com 45,98%; seguido de reclamações relativas à cobrança, com 22,42% das queixas, e à instalação ou ativação do serviço (9,04%).

Empresas

Segundo a Anatel, tanto na telefonia móvel quanto na telefonia fixa, quase todos os grupos acompanhados individualmente pela Anatel apresentaram redução nas reclamações em janeiro na compração com o mesmo mês de 2017.

A exceção foi a TIM, que registrou um pequeno aumento. Foram 500 reclamações a mais que no mesmo período do ano passado, um aumento de 0,9%.

Na telefonia móvel, a Vivo apresentou a maior redução no número de queixas. Foram 19,5 mil reclamações a menos, queda de 43,5%. Em seguida vem a Nextel, com menos 4,8 mil reclamações, redução de 43,2%. A Claro aparece em terceiro, com diminuição de 7,4 mil, redução percentual de 22,9%.

A Oi apresentou uma redução de 13,7%, com menos 2,7 mil queixas de clientes sobre o serviço. A operadora apresentou a maior redução nas queixas sobre telefonia fixa, uma queda de 19%, com 7,6 mil reclamações a menos. Em seguida aparece a Vivo com redução de 4,1 mil nas reclamações (queda de 17,4%) e a NET, com menos 1,3 mil reclamações (recuo de 14,5%).

No caso da TV por assinatura, com acréscimo de 1,6 mil reclamações (12,7% a mais), a Sky foi o único grupo que registrou aumento nas queixas em janeiro de 2018 em relação ao mesmo mês do ano passado, de 12,7 % (acréscimo de 1,6 mil reclamações)

No entanto, apesar de o Grupo NET/Claro ter registrado 3,2 mil reclamações a menos, com percentual de queda de 15,7%, a Anatel destaca que, separadamente a NET registrou aumento de 700 queixas e a Claro, redução de 2,5 mil. A Oi teve 1,8 mil queixas, recuo de 37,1% e a Vivo queda de 8,8%, com menos 300 reclamações.

Na comparação entre janeiro de 2018 e janeiro de 2017, a Oi registrou a maior queda, de 28,3%, com menos 6,8 mil reclamações. A Vivo vem em seguida, com menos 2,8 mil queixas, queda de 19%. Já a NET apresentou um acréscimo de 100 reclamações na banda larga fixa, aumento de 1,4%.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!