Taxas futuras de juros reagem à agenda local e fecham em queda – Jornal do Comércio

Os juros futuros encerraram a sessão em queda generalizada, refletindo sobretudo fatores internos que puderam se sobressair na medida em que o ambiente externo nesta quarta-feira (28), esteve favorável. As taxas, que passaram a manhã em baixa moderada, ampliou o movimento à tarde, quando bateram mínimas, após a divulgação do resultado do setor público consolidado, que veio perto do teto das estimativas do mercado. “O dólar e os juros hoje estão refletindo bem os fundamentos internos”, afirmou o economista-chefe da Infinity Asset, Jason Vieira.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 encerrou em 6,575%, de 6,600% no ajuste anterior, e a do DI para janeiro de 2020 caiu de 7,59% para 7,55%. A taxa do DI para janeiro de 2021 fechou em 8,45%, de 8,50% no ajuste anterior, e a do DI para janeiro de 2023 fechou em 9,25%, de 9,29%.

De acordo com o Banco Central, o setor público teve superávit primário de R$ 46,940 bilhões em janeiro, valor que ficou acima da mediana das estimativas, de R$ 40 bilhões, e perto do teto do intervalo, de R$ 48,6 bilhões.

“O resultado primário veio melhor que a mediana esperada, ajudando na redução do prêmio, principalmente na ponta longa da curva”, disse o estrategista-chefe do Banco Mizuho, Luciano Rostagno.

Pela manhã, o aumento da taxa de desemprego trazido pela Pnad Contínua, de 11,8% no trimestre encerrado em dezembro para 12,2% no trimestre terminado em janeiro, já havia estimulado o recuo das taxas, ao sugerir espaço para novo corte da Selic.

O dólar também acelerou o declínio ante o real, batendo mínimas na última hora. Alguns profissionais observaram reforço na entrada de fluxo de exportadores buscando aproveitar os níveis de preço. Às 16h34min, a moeda no segmento à vista caía 0,29%, a R$ 3,2399. Na mínima, chegou a R$ 3,2359.

Lá fora, o dólar avança ante as moedas principais e tem desempenho misto ante as demais divisas de economias emergentes. Nos Treasuries, as taxas aceleravam a queda e batiam mínimas, com a T-Note de dez anos em 2,865% às 16h37.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!