Dólar fica perto da estabilidade, com exterior – Valor

SÃO PAULO  –  A recuperação da demanda por ativos de risco no exterior provocou uma leve queda ao dólar no Brasil na sessão desta segunda-feira (5). Ainda assim, a moeda resistiu a cair mais intensamente, permanecendo próxima à marca de R$ 3,25 em torno da qual tem orbitado nas últimas semanas.

No fechamento, o dólar comercial teve variação negativa de 0,05%, a R$ 3,2479. Dessa forma, a cotação terminou longe da máxima do dia, de R$ 3,2634.

O aumento da pressão contra medidas protecionistas do presidente americano, Donald Trump, ajudou na volta da demanda por ativos mais arriscados, entre eles moedas emergentes. Até o presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, o republicano Paul Ryan, rejeitou o plano de Trump de sobretaxar importações de aço e alumínio, acreditando que os desdobramentos da medida prejudicariam a economia americana.

A sensação de que a guerra comercial temida a partir das ações de Trump não passe de ameaças deu algum suporte ao mercado e ajudou a manter medidas de volatilidade cambial em patamares baixos para padrões históricos. Isso demonstra que investidores não esperam grandes oscilações no mercado de moedas nas próximas semanas. Contudo, o baixo nível de volatilidade deixa o mercado mais suscetível a reversões, a exemplo do que aconteceu nos mercados acionários em Nova York um mês atrás.

Por ora, as apostas seguem favoráveis à classe de moedas emergentes, e o real está entre os destaques. A posição “comprada” em real está “acima da média de mercado”, considerando tanto posições em bônus quanto em câmbio, dizem estrategistas do Morgan Stanley em nota a clientes.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!