Começam as obras para a revitalização no Cais Mauá – Jornal do Comércio

Embora de maneira tímida, foi dada a largada para as obras de revitalização do Cais Mauá, em Porto Alegre. Quem ingressasse ontem pela entrada principal do porto da Capital, onde fica localizado o pórtico central do cais, poderia observar dois funcionários levantando uma cerca no local.

O diretor de operações do consórcio Cais Mauá do Brasil, Sérgio Lima, explica que são serviços preliminares, que permitirão a delimitação das áreas de trânsito para máquinas e equipamentos necessários para desenvolver a modernização. Esse cercamento inicial irá do armazém A 1 até o antigo prédio do Centro Integrado de Comercialização Agrícola (Cicoa), com aproximadamente 2 quilômetros de extensão. Também será trabalhada paralelamente a solução de alguns passivos ambientais como, por exemplo, tanques que estão enterrados e eram utilizados para abastecer embarcações.

A primeira etapa da iniciativa contempla a restauração de 11 armazéns, além da construção de 10 novas praças, e deverá ser finalizada até dezembro de 2019. Restarão ainda mais duas fases a serem feitas, que estarão concentradas nos dois extremos da área que será revitalizada (no arredor do Gasômetro e no terreno próximo à rodoviária). Pelos locais serão espalhadas atividades ligadas à cultura, gastronomia, lazer, negócios, hotel, centro de eventos, edifício-garagem etc. “O Cais Mauá vai ser um espaço que atenderá à toda população de Porto Alegre”, afirma Lima.

O executivo adianta que, nessa primeira fase, a estimativa é ter de 2,5 mil a 3 mil operários trabalhando nas obras, já no segundo semestre deste ano. Na operação do complexo, quando totalmente concluído (o que deve ocorrer dentro de seis anos), o diretor estima que serão gerados 28,8 mil empregos diretos e indiretos. O empreendimento é orçado entre R$ 500 milhões a R$ 700 milhões, sendo que a etapa inicial deve absorver em torno de R$ 140 milhões.

Lima comenta que o projeto tem sido replanejado e um dos pontos reavaliado é evitar a construção de um shopping center fechado, enclausurado, no cais. Uma ideia possível é a concretização de um conjunto de estabelecimentos comerciais a céu aberto. Sobre o muro que separa o porto da avenida Mauá, o dirigente recorda que a estrutura foi erguida no passado como uma forma de proteção às elevações do nível do Guaíba e não cabe ao empreendedor uma eventual decisão de retirada, ou seja, o muro será integrado ao projeto de revitalização. “Vai ter lá uma cortina verde, uma cascata, as comportas que hoje existem serão ampliadas para 12 metros para facilitar o acesso, vai ser implementada uma ciclovia ao longo do muro”, adianta o diretor.

Apesar das obras ainda serem um assunto que gera divergências, a presidente da Associação Amigos do Cais Mauá (Amacais), Katia Suman, enfatiza que a primeira fase do projeto diz respeito à restauração dos armazéns, algo que é defendido por todos e comemorado pela entidade. Katia reforça que não há contrariedade quanto à revitalização, mas existe a oposição a uma modernização feita de forma equivocada. Sobre a possibilidade da instalação de um shopping a céu aberto, a integrante da Amacais considera que a alternativa é melhor do que um complexo fechado, mas o ideal é que não seja localizado próximo ao Gasômetro e sim para o lado da rodoviária.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!