Dólar tem maior queda em 3 semanas com julgamento do Lula e exterior – Valor

SÃO PAULO  –  O ambiente externo positivo desde cedo manteve o dólar em queda, mas foi a rejeição do habeas corpus pedido pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que consolidou a moeda americana em forte baixa — a maior em três semanas, levando a moeda americano ao menor nível desde 1º de fevereiro.

O dólar comercial terminou a sessão desta terça-feira (6) com depreciação de 1,20%, a R$ 3,2090. 

Por unanimidade, a 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou pedido de habeas corpus preventivo a favor de Lula. Os advogados tentam evitar a prisão do petista após esgotados os recursos no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4). Em janeiro, também por unanimidade, o TRF-4 não somente confirmou a condenação de Lula na acusação de lavagem de dinheiro como elevou a pena contra o petista para 12 anos e um mês de prisão. Com isso, mantém-se a probabilidade de Lula ser preso.

Na visão do mercado, a prisão conteria o fôlego do ex-presidente nas pesquisas de intenção de voto e poderia ser o sinal mais forte de que ele seria impedido de concorrer às eleições presidenciais, marcadas para outubro.

Dessa forma, o mercado entende que haveria mais chances de vitória de um candidato mais favorável à agenda de reformas econômicas. A expectativa por reformas amparou os ativos domésticos meses atrás, mas sucessivos adiamentos da votação da reforma da Previdência, e sua posterior interrupção oficial anunciada pelo governo em fevereiro, dificultaram a continuidade da queda do dólar e da redução de prêmios de risco de forma geral.

Projeções 

“Mas agora o risco é de dólar para baixo”, diz o profissional de um banco em São Paulo, que pediu anonimato. Ele ainda prevê taxa de câmbio entre R$ 3,40 e R$ 3,50 ao fim do ano, mas admite rever para baixo essa estimativa. “Uma coisa é você ir para acima de R$ 3,40 saindo de R$ 3,30. Outra coisa é ir partindo de R$ 3,20 ou até menos. […] Eventualmente vamos revisar nossa projeção”, disse ele.

Na Focus, a mediana das estimativas para a taxa de câmbio indica dólar de R$ 3,24 ao fim de março, com pico de R$ 3,32 (setembro e outubro) e taxa de R$ 3,30 ao fim do ano. Há investidores que veem o câmbio em R$ 2,80 em dezembro e em R$ 3,57 no mesmo mês.

Um dos pontos a favor do real mais comentados por analistas é a situação da balança de pagamentos. Além de provavelmente terminar o ano com déficit em conta corrente ainda em patamares historicamente baixos, espera-se uma melhora na conta de investimentos em carteira — fluxos para renda fixa e ações.

No ano passado, o saldo de aplicação nesses ativos no país ficou negativo em US$ 2,484 bilhões, segundo dados do Banco Central. “Se essa rubrica ficar zerada este ano, que é o que se espera, já será um ponto de suporte ao real bem importante”, afirma o gestor da área de câmbio de uma instituição na capital paulista.

Os dados do BC revelam que, em janeiro, o saldo líquido dos investimentos para ações e renda fixa negociadas no Brasil ficou positivo em US$ 9,044 bilhões.

Risco político

O maior empecilho a cenários mais positivos para o câmbio, contudo, ainda parece longe de ser deixado de lado, embora os cenários-base indiquem expectativa de desfecho eleitoral favorável às reformas.

“Acho pouquíssimo provável voo de cruzeiro até outubro”, afirma Arnaldo Curvello, sócio-diretor da Ativa Investimentos, referindo-se à “tradicional” volatilidade à medida que se aproximam as eleições presidenciais.

Curvello chama atenção para a combinação entre incerteza sobre reformas e aperto monetário nos Estados Unidos. “O prêmio oferecido pelo Brasil está ficando cada vez menor. […] E não acho que mudamos de patamar fiscal a ponto de essa descompressão de prêmio ser sustentável. Muito pelo contrário”, ressalva.

A queda do prêmio de risco — medido, entre outras formas, pela redução do diferencial de juros entre Brasil e EUA — é um dos argumentos para analistas da empresa de pesquisa BMI Research preverem real mais depreciado no fim deste ano e em 2019. Os profissionais veem, agora, dólar de R$ 3,36 ao fim de dezembro, contra prognóstico anterior de R$ 3,30.

Considerando as eleições, os pesquisadores ponderam que, embora os mercados tenham precificado a ideia de que as reformas não serão aprovadas em 2018, os investidores parecem não considerar a “crescente” probabilidade de que o novo governo careça tanto de vontade quanto de capacidade para dar sequência aos esforços da atual administração.

“Falta de reformas significativas e incerteza política antes das eleições de outubro manterão o investimento de lado, limitando o crescimento no médio prazo”, o que fará com que a melhora da atividade não compense o efeito negativo sobre o real, vindo da queda dos diferenciais de juros. Os analistas projetam câmbio médio de R$ 3,51 por dólar em 2019, o que equivale a uma depreciação do real de 8,6%.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!