Ibovespa oscila com NY e dólar tem maior queda em 3 semanas – Valor

SÃO PAULO  –  O Ibovespa passou toda a manhã no terreno positivo, mas reduziu os ganhos no começo da tarde, acompanhando a queda de Nova York. Embora o ambiente geral hoje seja mais favorável ao risco, por causa da resistência demonstrada pelo Congresso americano à intenção do governo de sobretaxar as importações de aço e alumínio, as bolsas de Wall Street voltaram a ceder, limitando os ganhos da bolsa brasileira.

Às 13h58, o Ibovespa subia 0,56% aos 86.500 pontos. Mais cedo, chegou a ser negociado a 86.931 pontos.

O setor de destaque foi o de siderurgia, justamente o que mais sofreu nas últimas sessões por causa do risco de a taxação da importação pelos Estados Unidos deflagrar uma guerra comercial no mundo. Essa preocupação perdeu espaço por causa da postura dos líderes republicanos, contrária à decisão que equivaleria a um aumento de imposto, na visão desses congressistas.

Usiminas PNA era a maior alta (3,05%) e CSN ON subia 1,76%. Já Vale ON tinha alta de 0,52%. Banco do Brasil também está entre os destaques e avança 2,61%.

Na ponta negativa, BRF ON volta a ser destaque. A ação cedia 1,41%, para R$ 24,40. Outras ações do setor também caem: JBS ON perde 0,42% e Marfrig ON recua 1,92%.

Dólar

O dólar sofre a maior queda em três semanas frente ao real, atingindo patamares não vistos em duas semanas. As operações domésticas seguem de perto o movimento externo, onde a moeda mostra perdas generalizadas em meio ao alívio na aversão a risco.

O efeito positivo da resistência a propostas do presidente americano, Donald Trump, consideradas protecionistas se soma hoje à redução de tensões geopolíticas na Península da Coreia. O won sul-coreano é a moeda com melhor desempenho nesta terça-feira, em alta de 1,4%.

Às 13h58, o dólar comercial caía 0,85%, a R$ 3,2202. Na mínima, a cotação foi a R$ 3,2164 (-0,97%), menor patamar intradia desde 16 de fevereiro (R$ 3,2026) e a maior desvalorização desde 14 de fevereiro (-2,43%).

A dinâmica sinaliza que a perspectiva de curto prazo para o câmbio segue atrelada ao ambiente internacional, que tem à frente mais altas de juros nos EUA e primeiros sinais de que a economia global começou o ano em ritmo menos forte. A tese do crescimento sincronizado no mundo – o primeiro em mais de uma década – amparou ao longo de 2017 firme demanda por ativos de maior risco, o que permitiu a volta de fluxos para mercados emergentes.

Com os elementos ponderados, analistas por ora questionam o espaço para quedas mais intensas do dólar. “Acho que perto de R$ 3,20 o dólar está em um bom ponto de compra”, diz Paulo Petrassi, sócio-gestor da Leme Investimentos.

Do lado doméstico, o cenário eleitoral ainda continua a ser definido. Hoje, pesquisa CNT/MDA mostra o ex-presidente Lula na liderança das intenções de voto. Sem Lula, o deputado Jair Bolsonaro (PSL) está à frente em todos os cenários. O presidenciável tucano Geraldo Alckmin aparece em terceiro em pesquisa estimulada sem Lula.

“Por enquanto o resultado da pesquisa não preocupa. É provável que Lula não concorra, e a confirmação disso muda o xadrez político”, afirma Petrassi. Hoje, o STJ julga habeas corpus a favor do ex-presidente Lula, com expectativas remotas a favor do petista.

Juros

Os juros futuros enfrentam uma sessão de ajustes nesta terça-feira. As taxas operam bem próximas da estabilidade, depois de reverterem a queda da abertura. Isso não significa, porém, que a dinâmica positiva no mercado tenha seus dias contados.

A taxa projetada pelo DI janeiro de 2021 opera a 8,290%, ante 8,300% no ajuste anterior.

Já o DI janeiro/2019 marca 6,475% (6,465% no ajuste anterior) e o DI janeiro/2020 é negociado a 7,400% (7,410% no ajuste anterior).

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!