Juros zeram alta com julgamento de habeas corpus de Lula e fecham estáveis – Jornal do Comércio

Os juros futuros fecharam a sessão regular desta terça-feira  perto dos ajustes anteriores, com viés de queda nos prazos intermediários, após exibirem baixa por quatro sessões consecutivas. Pela manhã, as taxas chegaram a subir em meio a um movimento de realização de lucros, mas que perdeu força à tarde após o início do julgamento do habeas corpus preventivo do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pela Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Mesmo que esperada, a confirmação da rejeição do pedido aliviou as taxas.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 fechou em 6,460%, de 6,464% no ajuste anterior e a taxa do DI para janeiro de 2020 passou de 7,41% para 7,39%. A taxa do DI para janeiro de 2021 encerrou a 8,30%, de 8,28%, e a do DI para janeiro de 2023 fechou em 9,13%, mesmo patamar do ajuste de segunda-feira.

“O mercado interno melhorou à tarde por causa do julgamento do habeas corpus do Lula, o que surpreendeu porque isso já estava nos preços”, disse o economista Bernard Gonin, da Rio Gestão de Ativos.

A defesa de Lula tentava impedir sua prisão após se esgotarem os recursos no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), que o condenou no âmbito da Operação Lava Jato a 12 anos e 1 mês por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, no caso do tríplex no Guarujá. Por volta das 15h30, formou-se a maioria para rejeitar o pedido. Lula precisava de ao menos três votos favoráveis para que o pedido fosse acatado, mas ele ainda pode tentar reverter o resultado no Supremo Tribunal Federal (STF).

A decisão do STJ é vista como mais um obstáculo à candidatura de Lula à eleição, o que é visto como positivo pelo mercado, que torce por um candidato que dê sequência à pauta reformista do governo Temer. E, com Lula cada vez mais fora da disputa, os investidores deram de ombros ao resultado da pesquisa CNT/MDA, de intenção de votos para a eleição presidencial, que mostrou o petista liderando a corrida em todos os cenários apresentados.

A reação mais efusiva ao resultado do julgamento foi no câmbio, onde o dólar ampliou a queda, chegando, nas mínimas, ao patamar de R$ 3,20. Às 16h35 era cotado no segmento à vista em R$ 3,2102 (-1,15%), reagindo também ao enfraquecimento da moeda no exterior. Nas ações, o Ibovespa subia 0,39%, aos 86.360,33 pontos.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!