Aumento de produtividade geraria crescimento de 4,4% ao ano, diz Banco Mundial |

O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, e o diretor do Banco Mundial para o Brasil, Martin Raiser,
no lançamento de relatórios da instituição sobre emprego e crescimento Antonio Cruz/Agência Brasil

O Brasil precisa melhorar a produtividade para que volte a crescer, dizem relatórios divulgados hoje (7) pelo Banco Mundial. Caso mantenha a taxa atual, o Brasil terá crescimento restrito a 1,8% ao ano. Com melhora na produtividade, o país poderia chegar à taxa de 4,4% ao ano, acrescentam os estudos.

A produtividade é um indicador de eficiência técnica que demonstra como as empresas, indústrias, setores ou o país transforma insumos medidos na produção de bens e serviços. No Brasil, a produtividade do trabalho vem aumentando cerca de 0,7% ao ano desde meados da década de 90, e o crescimento da produtividade total dos fatores (PTF) está em declínio.

Segundo o Banco Mundial, hoje, um trabalhador médio no Brasil é apenas cerca de 17% mais produtivo do que há 20 anos. Entre trabalhadores médios de países de alta renda, o aumento no perído foi de 34%.

A instituição lançou, nesta quarta-feira, os relatórios Emprego e Crescimento – A Agenda da Produtividade e Competências e Empregos – Uma agenda para a juventude. “O crescimento da produtividade é fundamental para gerar empregos melhores e aumentar o padrão de vida das pessoas ao reduzir preços e elevar a qualidade dos produtos consumidos”, destacam os textos.

O Banco Mundial ressalta ainda que gerar empregos é importante para que Brasil mantenha as conquistas obtidas até 2010, uma vez que dois terços da redução da pobreza do Brasil de 2000 até 2010 deram-se pela geração de empregos.

Entre 1996 e 2015, enquanto a média anual de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas pelo país) era de 2,6%, aproximadamente dois terços desse incremento corresponderam ao aumentos da força de trabalho e da educação e um terço ao aumento do capital físico.

Salário mínimo no Brasil é alto

De acordo com o Banco Mundial, o salário mínimo do Brasil é alto em relação aos níveis internacionais. O nível médio dos salários mínimos legais nos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) permaneceu estável, entre 45% e 50% dos salários medianos. No Brasil, essa porcentagem é 70%. Atualmente, o salário mínimo é R$ 954 por mês. 

Segundo o banco, o aumento do salário pode ter impacto na contratação de jovens. Estudos citados na publicação mostram que os aumentos do salário mínimo reduzem em 3% a probabilidade de trabalho dos adolescentes e que um aumento do salário mínimo como proporção do salário médio de 10% está associado a um declínio da formalidade de 3% a 4% em média.

A OCDE é um grupo majoritariamente formado por países desenvolvidos. Em valores, os salários mínimos superam o brasileiro. De acordo com dados de 2015 da organização, enquanto o Brasil tinha um salário mínimo de US$ 1,12 por hora, países como a Austrália atingiam um valor de US$ 9,54 por hora; Estados Unidos, US$ 6,26 e Japão, US$ 5,52. 

Brasil busca melhoras

Em discurso na cerimônia de lançamento dos relatórios, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse que o governo tem adotado medidas para equilibrar as contas e incentivar o crescimento. Ele deu, como exemplo, a reforma do ensino médio, que oferecerá aos estudantes opções de itinerários formativos, entre eles a formação técnica, como um fator positivo que poderá melhorar a formação dos jovens.

Padilha citou também a definição do teto de gastos, estabelecido pela Emenda Constitucional 95/2016, que institui tanto o limite anual de gastos quanto o percentual de realização desse limite ao longo do ano. A emenda estabelece a inflação do ano anterior como limite para o crescimento dos gastos da União no ano vigente. Para este ano, o limite do crescimento em relação a 2017 é de 3%.

“As mensagens trazidas pelos relatórios do Banco Mundial são extremamente relevantes para o debate. Devemos manter o Brasil nessa trajetória de crescimento e do desenvolvimento. Como o prório Banco Mundial ressaltou, o Brasil merece e podemos acreditar que os brasileiros, principalmente, merecem um crescimento mais sustentável e inclusivo, para que o país possa ter uma força de trabalho plenamente equipada com competência para o século 21”, diz, Padilha.

Edição: Nádia Franco

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!