Bolsas da Europa fecham em alta, com reação apoiada por notícias corporativas – Jornal do Comércio

As bolsas europeias tiveram um início de jornada mais negativa nesta quarta-feira, 7, porém se recuperaram durante o pregão e fecharam na grande maioria em alta. A preocupação com o risco de uma guerra comercial esteve no radar dos investidores, mas algumas notícias positivas do setor corporativo se sobrepuseram ao longo da jornada. O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,36%, em 372,71 pontos.

Depois do fechamento de ontem em Nova Iorque, o principal assessor econômico da presidência americana, Gary Cohn, anunciou que deixará o governo dos Estados Unidos. A notícia pressionou os mercados na Ásia e também inicialmente na Europa, diante da avaliação de que com isso aumentam as chances de o presidente Donald Trump impor tarifas à importação de aço e alumínio.

Autoridades americanas têm dito que pretendem realizar intervenções “cirúrgicas” na questão comercial, mas vários países e também outros agentes têm alertado para as consequências inesperadas de medidas do tipo e para o risco de uma guerra comercial.

Notícias corporativas, porém, se sobrepuseram ao longo do pregão. Um destaque foi a Rolls Royce, que avançou 11,46% em Londres após a montadora britânica informar que atingirá suas metas financeiras para 2020 e apresentar lucro operacional superior ao esperado para 2017. Telecom Italia, por sua vez, subiu 1,86% em Milão, após divulgar balanço com receita acima da previsão dos analistas. Além disso, a ação da Renault subiu 5,64%, em meio a relatos de que a Nissan poderia comprar a participação do governo francês na montadora, embora o governo francês depois tenha negado a informação.

Na agenda de indicadores, o Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro avançou 0,6% no quarto trimestre ante o anterior e 2,7% na comparação anual, mostrou a terceira leitura do dado. Os números vieram como esperado pelo mercado.

Investidores também monitoraram as negociações entre a União Europeia e o Reino Unido para a saída do país do bloco, o chamado Brexit. Hoje, a UE sinalizou que o governo de Londres terá dificuldades em conseguir todos os seus desejos na área comercial. Há expectativa para se saber como ficará o setor financeiro britânico e que laços ele poderá manter com a Europa continental.

Na bolsa de Londres, o índice FTSE-100 fechou em alta de 0,16%, em 7.157,84 pontos. Entre os bancos britânicos, Lloyds subiu 1,04%, mas Barclays recuou 0,19%. A mineradora Glencore teve queda de 0,29%, enquanto a petroleira BP caiu 0,33%. Já a varejista Tesco subiu 0,14%.

Em Frankfurt, o índice DAX avançou 1,09%, a 12.245,36 pontos. Adidas, Allianz e Basf subiram 0,40%, 0,95% e 1,40%, respectivamente, entre os papéis mais negociados. Lufthansa se destacou, em alta de 3,30%, mas Beiersdorf recuou 0,14%.

Na bolsa de Paris, o índice CAC-40 teve ganho de 0,34%, a 5.187,83 pontos. Air France-KLM foi um dos destaques, em alta de 4,72%, enquanto a petroleira Total subiu 0,14%. Já o banco Crédit Agricole recuou 0,84%

Em Milão, o FTSE-MIB subiu 1,22%, a 22.473,47 pontos. No setor bancário italiano, Intesa Sanpaolo subiu 1,14% e Banco BPM avançou 1,71%. Fiat teve alta de 1,04%, enquanto a petroleira Eni subiu 1,38%.

Na bolsa de Madri, o índice IBEX-35 fechou com alta de 0,13%, a 9.599,30 pontos. BBVA caiu 0,30%, Santander subiu 0,09% e Banco de Sabadell ganhou 0,30%. Nyesa Valores, por outro lado, teve queda de 5,01%.

Em Lisboa, o índice PSI-20 foi na contramão da maioria e caiu 0,28%, a 5.339,43 pontos. Banco Comercial Português e Altri recuaram 1,49% e 1,50%, respectivamente, e Galp Energia teve baixa de 1,35%.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!