Dólar sobe 1,1% com queda das commodities e temor de guerra comercial – Valor

SÃO PAULO  –  A combinação de commodities em forte baixa e de um maior receio em torno de uma guerra comercial no mundo levou o dólar à maior alta em cinco semanas frente ao real nesta quarta-feira (7). No fechamento, a cotação subiu 1,10%, a R$ 3,2444, praticamente devolvendo a queda de 1,20% de terça (6).

Além de um ajuste técnico depois da firme queda de ontem, o dólar no Brasil teve impulso do aumento da percepção de risco global, em meio ao raciocínio de que a retórica protecionista do governo americano pode ter menos resistências internas. Esse entendimento se fortaleceu depois do pedido de demissão de Gary Cohn, um dos conselheiros econômicos de Trump favoráveis a uma política mais livre nas relações comerciais.

A ameaça à dinâmica do comércio exterior tem efeitos negativos sobre as expectativas de crescimento econômico mundial, que, se prejudicado, pode afetar a disposição de investidores de aplicar em mercados mais arriscados, caso dos emergentes.

O Goldman Sachs diz que, considerando apenas as medidas protecionistas dos EUA, moedas da Ásia emergente, como ringgit malaio e dólar de Singapura, seriam as mais expostas, enquanto o real estaria no fim da lista, embora com maior vulnerabilidade que alguns de seus pares, como o peso chileno e o rublo russo.

Mas mesmo ativos de países considerados mais fechados, como o Brasil, podem ser pressionados por outros canais que não exclusivamente o comercial.

“O real é afetado pelo canal financeiro, sendo uma moeda muito volátil e bastante sujeita a surtos de aversão a risco”, diz Gustavo Rangel, do banco ING em Nova York.

Com menos crescimento da atividade global, ativos como commodities tendem a perder valor, o que impacta grandes exportadores de matérias-primas, entre eles os do Brasil. 

Commodities mais enfraquecidas implicam na queda dos chamados termos de troca — razão entre preços de exportação e importação. Em média, os termos de troca subiram 5,8% em 2017, mas a comparação entre dezembro de 2017 e dezembro de 2016 já mostrou queda de 2,1%, segundo a Funcex. Essa razão bateu máximas em janeiro do ano passado e voltou a cair mais claramente a partir de novembro, depois de alguma recuperação em meados de 2017.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!