Taxas futuras longas de juros têm viés de alta com dólar e exterior – Jornal do Comércio

Os juros futuros de curto e médio prazos oscilam ao redor dos ajustes anteriores nesta quarta-feira (7) enquanto as taxas longas mostram viés de alta, na esteira do dólar forte ante o real. No mercado de câmbio, operadores dizem que há cautela no exterior em relação à eventual sobretaxa ao aço e alumínio pelos Estados Unidos e desconforto local com novas alterações na Câmara em medidas do ajuste fiscal e dificuldades do governo para cumprir a regra de ouro do Orçamento de 2018.

Não há um catalisador forte na renda fixa, diz um operador. O Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) de fevereiro é monitorado, mas fica em segundo plano. O indicador desacelerou para +0,15%, ficando acima da mediana do mercado de (+0,10%). Em janeiro, o indicador de inflação subiu 0,58%.

Como pano de fundo segue a aposta dos investidores em mais um corte da taxa Selic, de 0,25 ponto, para 6,5% ao ano, na reunião do Copom dos dias 20 e 21 de março. Por isso, os ajustes de alta das taxas longas são limitados.

Às 9h52min, o DI para janeiro de 2019 estava a 6,440%, de 6,459% no ajuste de terça-feira (6). O contrato de DI para janeiro de 2021, mais negociado, estava em 8,29%, ante 8,28% no ajuste anterior.

O DI para janeiro de 2023 estava a 9,16%, de 8,13% no ajuste de terça. No câmbio, o dólar à vista subia 0,45%, aos R$ 3,2274. O dólar futuro de abril ganhava 0,53%, aos R$ 3,2345.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!