Atividade do comércio cresce 2% em fevereiro – Jornal do Comércio

Consumo


Notícia da edição impressa de 08/03/2018.
Alterada em 08/03 às 00h26min

Atividade do comércio cresce 2% em fevereiro

O movimento dos consumidores nas lojas varejistas de todo País cresceu 2% em fevereiro ante janeiro, já descontadas as influências sazonais, de acordo com o indicador de Atividade do Comércio da Serasa Experian. Frente ao mesmo mês de 2017, o avanço foi de 7%. Já no primeiro bimestre, a atividade subiu 6,5% na comparação com igual período do ano passado.

Os economistas da Serasa Experian afirmam que o aumento da massa real de rendimentos e o impulso proporcionado pela expansão do crédito em função da redução da taxa de juros e da melhora da confiança do consumidor estão estimulando o varejo no início deste ano.

Em fevereiro ante janeiro, a maior expansão foi verificada no segmento de móveis, eletroeletrônicos e informática, com avanço de 5,4%. Outro destaque foi a categoria de material de construção (4,3%). O único setor que apresentou recuo no período foi o de supermercados, hipermercados, alimentos e bebidas, com queda de 0,8%.

No bimestre, o melhor desempenho também foi de móveis, eletroeletrônicos e informática (10%). Em segundo lugar, ficou o segmento de veículos, motos e peças, que registrou alta interanual de 3,7%.

O Indicador Serasa Experian de Atividade do Comércio é construído, exclusivamente, pelo volume de consultas mensais realizadas por estabelecimentos comerciais à base de dados da entidade. As consultas são tratadas estatisticamente pelo método das médias aparadas com corte de 20% nas extremidades superiores e inferiores.

Com as taxas de crescimento tratadas e ponderadas pelo volume de consultas de cada empresa comercial é construída a série do indicador. A amostra é composta de cerca de 6.000 empresas comerciais e o indicador, com início em janeiro de 2000, é segmentado em seis ramos de atividade comercial.

Dia do Consumidor deve registrar alta de 10% nas vendas do e-commerce

Celebrado no dia 14 de março, o Dia do Consumidor virou uma data de promoções no comércio eletrônico e deve gerar um crescimento de vendas de 10% este ano na comparação com o mesmo período de 2017. A previsão da Ebit, empresa especializada em informações do setor, é que o faturamento atinja R$ 223 milhões.

O aumento nas vendas deverá ser impulsionado pela previsão de número de pedidos: a expectativa é que sejam 479 mil ordens de compra este ano, ante 421 mil de 2017. Já o tíquete médio das compras deve cair, saindo de R$ 480,00 no ano passado para R$ 466,00.

Entre as categorias mais desejadas pelo consumidor, segundo o estudo, estão os eletrônicos, com 8% de intenção de compra. Em seguida, aparecem telefonia e celulares e cosméticos, perfumaria e cuidados pessoais.

Indicador mostra dificuldades no crédito parcelado

O Indicador de Uso do Crédito apurado pelo SPC Brasil pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) revela que 22% dos brasileiros tiveram crédito negado no último mês de janeiro ao tentarem parcelar uma compra em estabelecimentos comerciais ou contratar serviços a prazo. A falta de comprovação de renda ou insuficiente de renda (36%) e as restrições ao CPF (31%) em virtude da inadimplência foram as principais razões para a negativa.

De acordo com a sondagem, em cada 10 consumidores, seis (58%) não se utilizaram de nenhuma modalidade de crédito no último mês de janeiro, como cartões, crediário, cheque especial, linhas de financiamentos ou empréstimos. Outros 42% mencionaram ao menos uma modalidade a qual tenham recorrido no período. Em dezembro, período de tradicional aquecimento das vendas no varejo, esse índice era ligeiramente maior e atingiu 46% dos consumidores. Ainda assim, o número observado em janeiro deste ano é o segundo mais elevado desde junho de 2017, quando 44% dos brasileiros haviam se utilizado de ao menos um tipo de crédito naquele mês.

Os cartões de crédito (36%) e o crediário (12%) foram as modalidades mais usadas em janeiro deste ano. O cheque especial foi citado por 7% da amostra e os financiamentos por 6%. Na escala do Indicador de Uso do Crédito que varia de zero a 100, sendo que quanto mais alto, maior a utilização de modalidades de crédito, o resultado observado em janeiro ficou em 28,1 pontos, pouco abaixo dos 31,0 pontos verificados em dezembro último.

Para o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior, o resultado é reflexo ainda da queda nas concessões de crédito ocorrida no período mais agudo da crise. “Com a renda do brasileiro menor, a análise de crédito tornou-se mais criteriosa para evitar a inadimplência e as concessões caíram ao longo do período mais severo da recessão. Somente agora o crédito começa a recuperar-se, mas é prudente que haja controle e critérios sobre a liberação de crédito por parte das instituições e que o consumidor se mantenha cauteloso antes de se endividar”, afirma Pellizzaro Junior.

Para 51%, contratar crédito é algo difícil; 48% dos que tomaram empréstimo ou financiamento atrasaram parcela em algum momento. No total, apenas 14% dos consumidores consideram a tomada de crédito como algo fácil nos dias de hoje. Para 51%, trata-se de algo difícil, ao passo que 22% consideram regular. “Crédito fácil e sem burocracia pode parecer algo positivo, mas em muitos casos, a contrapartida dessa agilidade é a cobrança de taxas de juros muito elevadas. O crédito pode ser um aliado do consumidor para aquisição de bens de maior valor, mas se não bem utilizado, pode ser a porta de entrada para o descontrole financeiro” explica a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.


Seja o primeiro a comentar esta notícia

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!