Bolsas de Nova Iorque sobem após Trump sugerir flexibilidade na tarifação de metais – Jornal do Comércio

As bolsas de valores dos Estados Unidos fecharam em alta nesta quinta-feira (8), revertendo as perdas de ontem, após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, dizer que a tarifação sobre as importações de aço e de alumínio no país deve poupar alguns aliados.

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,38%, aos 24.895,21 pontos; o S&P 500 subiu 0,45%, para 2.738,97 pontos; e o Nasdaq avançou 0,42%, para 7.427,95 pontos.

Grandes índices flutuaram perto da estabilidade na maior parte da sessão e então subiram na última hora de negociações, após o governo americano dizer que países como México e Canadá, que atualmente negociam uma revisão do Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta), serão isentos das tarifas. Ele também deixou a porta aberta para negociação com alguns aliados.

Na semana passada, os índices recuaram em meio a temores que a tarifação proposta por Trump pudesse desencadear uma guerra comercial com países como a China, por exemplo.

Após Trump manifestar flexibilidade ao assinar o decreto que impõe as tarifas, as ações ganharam algum terreno. Ainda assim, os investidores dizem que a volatilidade continuará elevada no mercado acionário de Nova Iorque, uma vez que incertezas sobre a política comercial de Trump persistem.

Hoje várias notícias corporativas influenciaram movimentos de ações individuais. A Cigna viu seus papéis recuarem 11% após a companhia do setor de saúde informar que pretende comprar a Express Scripts (+8,6%) por US$ 50 bilhões.

Enquanto isso, as ações da rede de supermercados Kroger despencaram 12% após a empresa dizer que seus lucros serão afetados pela expansão da sua plataforma de comércio eletrônico, em meio a concorrência com gigantes como Walmart e Amazon.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!