Dólar bate máxima em um mês, com incerteza sobre guerra comercial – Valor

SÃO PAULO  –  As incertezas antes do anúncio pelo governo americano das taxações sobre as importações de aço e de alumínio combinadas com o tom mais “dovish” do Banco Central Europeu (BCE) empurraram o dólar à máxima em um mês frente ao real nesta quinta-feira (8).

No fechamento, o dólar comercial subiu 0,52%, a R$ 3,2613. É o maior patamar desde 9 de fevereiro, quando a moeda americana fechou a R$ 3,3008.

Segundo a agência de notícias Associated Press, é provável que os Estados Unidos isentem Canadá e México, dois dos maiores exportadores de aço ao mercado americano, das tarifas e adotem uma postura mais aberta a diálogo com outros países. Ainda assim, permanecem os ruídos. O Brasil, que em 2017 foi o segundo maior exportador global de aço aos EUA, é um dos países que poderiam sofrer mais com a medida.

Além disso, fica mais incerto o debate sobre como será a reação do Federal Reserve (Fed, o BC americano) a possíveis aumentos de preços na economia a partir da chamada inflação de custo.

“O que deve preocupar mais o Fed são os efeitos secundários, incluindo as expectativas de inflação”, dizem analistas do BNP Paribas, em nota a clientes. Os profissionais do BNP traçam um cenário, em caso de guerra comercial, de menor crescimento econômico global e preços mais altos.

“A incerteza aumentaria, detendo o investimento e encorajando a elevação de poupança. Ao mesmo tempo, se eleva a chance de correção nos mercados mais arriscados devido à demanda por maior prêmio de risco.”

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!