Importação de carros tem aumentode 38% no primeiro bimestre do ano – Jornal do Comércio

O mercado de veículos importados reagiu no primeiro bimestre de 2018. Foram 5.002 veículos emplacados, o que representa um aumento de 37,8% em relação aos dois primeiros meses do ano passado. Sem a cota de 4,8 mil unidades por ano para cada marca, que era estipulada pelo Inovar-Auto, o setor projeta a importação de 40 mil veículos para 2018, o que representará 1,67% do mercado interno.

Sem o Inovar-Auto, que deixou de vigorar em 2017, os importados passaram a pagar somente 35% do Imposto de Importação, quando são oriundos de países com os quais o Brasil não tem acordo comercial. México e países do Mercosul são exceções. Antes, caso ultrapassassem a cota, deveriam pagar mais 30 pontos percentuais extras no IPI.

O presidente da Abeifa (Associação Brasileira de Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores), José Luiz Gandini, afirma que o crescimento é pequeno, pois, na análise dele, as vendas de 2017 foram baixas. Antes da implantação do Inovar-Auto, em 2011, foram importados 199 mil veículos.

Gandini não acredita que seja possível retornar ao patamar de 2011, pois é preciso reconstruir o setor. Em 2011, os importados representavam 5,82% do mercado, havia 850 concessionárias e 35 mil funcionários. No fim de 2017, representavam 1,37%, com 450 concessionárias e 14 mil funcionários.

Além da redução da estrutura, outra barreira, segundo Gandini, que é presidente da Kia no Brasil, é o câmbio. Em 2011, o dólar estava a R$ 1,67, e, hoje, a R$ 3,24. “É impossível retornar aos números de 2011.” Gandini avalia que os importados devem se concentrar em nichos, como crossovers, minivans, utilitários-esportivos, sedãs médios e grandes, além dos esportivos. Devido ao dólar, não há como competir com os modelos de entrada, como hatchs e sedãs compactos.

Enquanto os fabricantes nacionais reclamam da demora da entrada em vigor do Rota 2030, que trará as novas regras para a indústria automotiva substituindo o Inovar-Auto, os importadores não consideram o novo plano fundamental. “Se não for anunciado até 6 de abril, fica para 2019”, afirma Gandini, sobre o Rota 2030. A data é o limite para saída dos cargos dos políticos que serão candidatos.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!