Juros futuros de curto prazo voltam a cair à espera do IPCA – Valor

SÃO PAULO  –  Os juros futuros de prazos mais curtos voltaram a cair nesta quinta-feira (8). O comportamento positivo do mercado foi reforçado na véspera da divulgação de novos dados de inflação, que devem ajudar os investidores a calibrarem apostas para a Selic. A dinâmica favorável do mercado responde, em boa parte, às surpresas com a inflação neste primeiro trimestre e frustração com a evolução da atividade.

No Relatório Trimestral de Inflação (RTI), o Banco Central projetava que o IPCA nos 12 meses até março ficaria em 3,2%, medida considerada conservadora pelos agentes financeiros. Inclusive, já se espera entre alguns profissionais de mercado que o resultado efetivo fique 0,5 ponto percentual abaixo do esperado pela autoridade monetária.

Para o indicador de fevereiro, os especialistas consultados pelo Valor Data estimam que a inflação deve ficar em 0,32%, pouco acima do resultado de janeiro, 0,29%. Na medida acumulada em 12 meses, o IPCA esperado é de 2,84%. Caso isso seja confirmado, aumenta a pressão para que o BC mexa na Selic em março. No entanto, ainda seria necessário um pouco mais que uma surpresa do dado geral para mexer, de maneira significativa, nas apostas para maio. O cenário-base é que apenas um corte da Selic se concretize neste ano, mas as chances de quedas em duas reuniões seguidas do Copom não são descartadas.

O economista sênior do banco Haitong, Flávio Serrano, é um dos especialistas que não projetam novas quedas da Selic neste ano. Embora reconheça que aumentaram as chances de a taxa cair em março, ele não vê mudança suficiente no comportamento da inflação que tire a Selic dos atuais 6,75%. Isso porque as surpresas ainda são motivadas pelo segmento de alimentação e não por uma alteração mais estrutural. “Existe a possibilidade de o BC cortar juros e o IPCA vai confirmar o cenário favorável, mas ainda estamos caminhando rumo às metas de inflação”, afirma o especialista.

O que se espera também, antes de uma aposta mais firme, é uma mudança nas expectativas de inflação ou uma sinalização mais clara do Banco Central. O sócio e gestor da Paineiras Investimentos, David Cohen, acredita que o BC deve cortar a taxa em março. Para a reunião seguinte, pode indicar uma pausa  em vez de um fim do ciclo de baixa , mantendo a porta aberta para outros movimentos, a depender de como evoluirá o cenário eleitoral e como isso irá afetar o câmbio e as expectativas de inflação.

Enquanto não há um sinal mais claro para esse ponto final do ciclo, os investidores trabalham com a perspectiva de que a Selic pode ficar baixa ou não subir tanto no curto prazo. Sinal disso é que o DI janeiro/2020 caiu a 7,320% no fim da sessão regular, ante 7,360% no ajuste anterior e o DI janeiro/2019  contrato mais negociado do dia – se manteve estável a 6,450%.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!