Queda na atividade industrial não compromete retomada – Jornal do Comércio

O Índice de Desempenho Industrial (IDI-RS), que mede o nível de atividade do setor no Estado, após dois meses de crescimento, apresentou um recuo de 2% em janeiro, na comparação com dezembro de 2017, feito o ajuste sazonal. Esta queda, porém, comum em períodos de volatilidade que caracterizam as fases de retomada econômica, não indica que a recuperação do setor será interrompida. Prova disso é que, ao comparar os dados com o mesmo período de 2017, o IDI-RS, produzido a partir de pesquisa da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs), teve uma alta de 5%. “A trajetória de crescimento, iniciada no ano passado, tende a se manter. Durante esse processo de recuperação, oscilações na atividade industrial, como a que tivemos em janeiro, são esperadas”, observa o presidente da Fiergs, Gilberto Petry.

Em relação a dezembro de 2017, o IDI-RS refletiu a baixa em metade dos seis componentes que fazem parte da pesquisa – massa salarial real (-1,4%), horas trabalhadas na produção (-0,5%) e Utilização da Capacidade Instalada – UCI (-0,4 p.p.). Entretanto, ao comparar com o primeiro mês do ano passado, a UCI cresceu 1,9 p.p. Outros três componentes subiram frente a dezembro, sendo que o faturamento real foi o principal destaque positivo, ao avançar 1,8%. Aumentaram, ainda, as compras industriais (1%) e o emprego (0,4%). “Em meio às oscilações, há uma clara tendência positiva. Os juros menores, a inflação baixa, a melhora gradativa do mercado de trabalho, os estoques ajustados e a confiança industrial estão criando condições mais favoráveis para a demanda interna, a base desse processo de recuperação”, diz Petry.

 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!