Bolsa sobe 1,5% e dólar opera a R$ 3,24 com IPCA e dados dos EUA – Valor

SÃO PAULO  –  Os dados do mercado de trabalho americano vieram “na medida” para as bolsas e abriu espaço para uma firme recuperação. Os números confirmam que há um crescimento consistente em curso. Mas não a ponto de trazer ameaças inflacionárias, que levem o Federal Reserve (Fed, banco central americano) a assumir uma posição ainda mais firme do que o mercado já espera.

Em reação, o Ibovespa retomou o nível de 86 mil pontos, sustentado pelas blue chips, tradicionais porta de entrada dos investidores que querem ampliar exposição em Brasil. Às 13h41, o ganho era de 1,47%, para 86.238 pontos.

Vale ON, que iniciou o dia em queda firme sob efeito da taxação do aço pelos Estados Unidos, passou a subir e, às 13h42, ganhava 1,62%. Petrobras PN subia 1,66% e Itaú PN avançava 0,74%.

A recuperação acontece após dois importantes riscos terem sido superados, ao menos no curto prazo: a ameaça de taxação do aço pelos Estados Unidos e a espera pela divulgação do relatório sobre o mercado de trabalho que, no mês passado, provocou uma forte onda de vendas no mundo.

De fato o governo americano impôs uma sobretaxa à importação do aço e do alumínio, o que afeta em cheio empresas brasileiras. Mas, como o mercado já se antecipou à decisão e, por ora, o efeito prático da medida pode não ser tão forte quanto se temia, as ações dessas empresas podem até passar por algum alívio hoje, aproveitando a melhora de humor geral.

Já os dados de emprego americano confirmam um quadro também já precificado. Foram geradas 313 mil novas vagas, ante a expectativa de 205 mil postos de trabalho. Mas o ganho salarial médio por hora trabalhada foi modesto.

Com essas questões sob controle, a bolsa pode reagir também às apostas crescentes no mercado de que, com a inflação sob controle, o Banco Central (BC) poderá voltar a cortar os juros na reunião de março. E, depois disso, manter a taxa inalterada por um período prolongado. 

Vale observar que são companhias que divulgaram seus resultados as que se destacam, entre as altas do dia. Embraer ON ganhava 6,55%,  Localiza ON aumentava 4,74% e MRV ON avançava 3,21%.

Câmbio

O dólar se afasta das máximas em um mês alcançadas na quinta-feira, pressionado nesta jornada pelo clima positivo a ativos de risco no exterior, após sinais que a economia americana segue firme, mas sem gerar pressões inflacionárias.

A redução nos temores de inflação diminui receios de que o Fed precise elevar ainda mais as taxas de juros nos EUA, possibilidade que ganhou ainda mais força em meio a cenários de aumento de preços derivados da taxação de importações de aço e alumínio anunciada ontem por Donald Trump.

Dessa forma, investidores veem fortalecidas as avaliações de a economia global deverá continuar sólida, puxada pela americana. Sem riscos iminentes do lado inflacionário, o mercado enxerga a manutenção do cenário preponderante do ano passado – expansão econômica sem necessariamente aumentos ainda maiores de juros nos EUA. É essa combinação que está por trás da valorização de ativos de risco no mundo desde o ano passado e cuja ameaça pressionou bolsas de valores e moedas no começo de fevereiro.

Às 13h24, o dólar comercial caía 0,36%, a R$ 3,2496.

Juros

A dinâmica positiva de inflação abre espaço para nova queda dos juros futuros de curto prazo. O resultado do IPCA de fevereiro não foi suficiente para estimular as apostas para um ciclo ainda mais extenso de corte da Selic, mas reforça a visão de que a taxa cairá mais uma vez em março e permanecerá baixa por algum tempo.

O comportamento do setor de alimentos e, principalmente, dos núcleos de inflação já levam algumas grandes instituições a revisarem suas projeções de IPCA para este ano, cada vez mais próximas do piso da meta inflação. O centro do alvo é 4,5%, com tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

A perspectiva de que a Selic pode ficar baixa ou não subir tanto no curto prazo também se evidencia nos juros futuros. O DI janeiro/2020 operava em leve queda de 3 pontos-base, a 7,290% às 13h47. Já o DI janeiro/2019 – contrato mais negociado do dia – se mantinha estável a 6,445%.

Para além do debate sobre o ponto final de corte da Selic, o comportamento dos preços também incita a discussão sobre a definição de metas mais baixas de inflação para além de 2020. A questão ganha um aspecto mais estrutural, dependendo inclusive do encaminhamento da agenda de reformas após a eleição de 2018.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!