Brasil espera aumento e diversificação de exportações para o Canadá – Jornal do Comércio

O ministro brasileiro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Jorge, disse hoje (9) que espera um aumento expressivo e a diversificação da pauta exportadora do Brasil para o Canadá, que hoje é bastante concentrada.  As declarações foram feita a propósito da abertura das negociações de um acordo de Livre Comércio entre o Mercosul e o Canadá nesta sexta-feira em Assunção, no Paraguai.

O evento reuniu os chanceleres dos quatro países do Mercosul – Aloysio Nunes (Brasil)  Eladio Loizaga (Paraguai), Rodolfo Nin Novoa (Uruguai) e Jorge Faurie (Argentina) e o ministro canadense de Comércio Internacional François-Philippe Champagne.

Segundo Marcos Jorge, que também marcou presença em Assunção, as negociações com o Canadá demonstram o quanto o Mercosul vem trabalhando para promover uma maior abertura comercial com outros países.  A primeira rodada negociadora já está marcada para a semana de 19 de março, em Ottawa.

“O Canadá é um importante e exigente mercado consumidor. Em 2017, o fluxo comercial entre Brasil e Canadá foi de cerca de US$ 4,5 bilhões, com um superávit para o Brasil de pouco mais de US$ 950 milhões”, disse o ministro. Ele ressaltou que Mercosul e o Canadá negociam um acordo amplo que envolve temas como o comércio de bens, serviços, compras governamentais, pequenas e médias empresas, barreiras não tarifárias e propriedade intelectual.

Marcos Jorge considera muito estratégico o momento para o início dessas negociações, que ocorre um dia após os Estados Unidos anunciarem sobretaxas sobre a importação de produtos de aço e de alumínio. ?Enquanto alguns atores internacionais se fecham, o Brasil e os sócios do Mercosul têm demonstrado que é fundamental a integração dos nossos mercados às cadeias globais de valor. A negociação de novos acordos, como este com o Canadá, é um importante caminho”, avaliou.

Nos últimos anos, a participação brasileira nas importações canadenses oscilou em torno de 0,6%. Já os produtos canadenses representam entre 1% e 1,5% das compras brasileiras. A pauta comercial bilateral é bastante concentrada em produtos químicos inorgânicos, açúcar e produtos de confeitaria, pedras e metais preciosos (do lado brasileiro) e adubos e fertilizantes, reatores nucleares, máquinas e aparelhos, aeronaves e suas partes (do lado canadense).

Análises preliminares indicam potencial oportunidade para pelo menos 90 produtos brasileiros, principalmente calçados, produtos químicos, de borracha, minerais não metálicos e automóveis.

O Canadá aplica, em média, tarifa de 22,5% sobre a importação de produtos agrícolas e de 6% sobre produtos manufaturados. Na área industrial, acordos firmados pelo Canadá tendem a promover eliminação imediata de tarifas, com exceção do setor automotivo.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!