Ouro se recupera de efeito negativo do payroll e fecha em alta – Jornal do Comércio

O ouro encerrou a sessão desta sexta-feira (9) em alta, em um dia dominado pelos efeitos do principal relatório de emprego dos Estados Unidos, o payroll.

A princípio, a notícia de que o país criou 313 mil empregos em fevereiro, muito acima do esperado, deu grande força ao dólar e aos juros dos Treasuries, fatores que pressionam negativamente a cotação do metal amarelo, que é visto como um ativo seguro em tempos de incerteza.

Mas esse movimento vendedor de ouro passou a ser amenizado pouco depois, quando pesou entre investidores a percepção de que a desaceleração do aumento salarial nos EUA, apontada pelo mesmo relatório, sinaliza uma inflação sob controle e, assim, diminui a perspectiva de um ritmo mais acelerado de elevação de juros pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano).

Para o presidente da corretora Blue Line Futures, Bill Baruch, o crescimento salarial mais fraco nos EUA pode pressionar o dólar e dar suporte ao ouro se o Fed tiver de continuar sendo cauteloso com o ritmo de aumento de juros básicos. “Ainda estou muito otimista em relação ao ouro e acho que abril será um mês muito forte (para a commodity)”, afirmou.

Na Comex, divisão de metais de Nova Iorque Mercantile Exchange (Nymex), o ouro para abril teve alta de US$ 2,30 (+0,17%), a US$ 1.324,00 a onça-troy. No acumulado da semana, o preço da commodity subiu US$ 0,60 (+0,05%), interrompendo uma sequência de duas baixas semanais seguidas. Fonte: Dow Jones Newswires

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!