Enviado dos EUA realiza encontros distintos com UE e Japão sobre novas tarifas – Jornal do Comércio

O representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer, se reuniu neste sábado com comissária europeia de Comércio, Cecilia Malmström, e com o ministro japonês da Economia, Comércio e Indústria, Hiroshige Seko, para discutir as novas tarifas norte-americanas sobre o aço e o alumínio importados, em meio a temores de uma guerra comercial mais ampla. O enviado do presidente dos EUA, Donald Trump, também se encontrou Malmström e Seko separadamente. Nenhum deles quis comentar o assunto.

As reuniões foram previamente planejadas, mas assumiram maior importância por causa do anúncio de Trump de uma tarifa de 25% sobre as importações de aço e 10% sobre as importações de alumínio norte-americanas, que entrarão em vigor em duas semanas O bloco europeu de 28 países e o Japão querem a isenção das tarifas. Caso contrário, a UE ameaçou com uma represália, aplicando tarifas de retaliação em uma cesta de produtos no valor combinado de 2,8 bilhões de euros – o estimado das barreiras americanas.

O governo japonês advertiu que a medida poderia prejudicar suas relações econômicas com os EUA. Mas antes das conversas deste sábado, a Seko também afirmou que “a trocas de medidas unilaterais não será do interesse de qualquer país”, de acordo com a agência de notícias Kyodo. Ele aparentemente estava se referindo às ameaças da UE de retaliação.

Os principais parceiros comerciais e de negócios dos EUA alertaram que as tarifas podem gerar um contra-ataque, provocando uma guerra comercial e prejudicando aliados mais que do a China, o principal alvo da medida.

Trump argumenta que as tarifas foram projetadas para proteger os empregos e a segurança dos EUA. Ele disse que o Canadá e o México estão isentos por agora e outros países poderiam ser poupados se puderem convencer a administração americana de que suas exportações de aço e alumínio não ameaçam a indústria dos EUA.

A UE insiste que está comprometida com o comércio aberto e global. Malmström afirmou que o problema real é o excesso de oferta de aço nos mercados globais. Ela rejeitou a afirmação de Trump de que as tarifas são necessárias para proteger a segurança dos EUA, especialmente quando a maioria dos países da UE é membros da Otan, a aliança militar do Atlântico Norte. “Somos amigos. Somos aliados. Nós trabalhamos juntos. Não podemos ser um ameaça à segurança nacional dos EUA, então estamos contando com o fato de ser excluídos”, disse a comissária, na sexta-feira.

A UE exportou cerca de 5,5 milhões de toneladas de aço para os EUA no ano passado. Os EUA compraram 5% do aço do Japão no ano passado, mas apenas 1,1% do aço da China. Os produtores de aço internacionais não estão apenas preocupados com a perda do acesso ao mercado dos EUA, mas também que o aço de outros exportadores inundará mercados já saturados, ameaçando empregos em outros lugares.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!