‘Homem mais odiado dos EUA’ é condenado a 7 anos de prisão – Valor

NOVA YORK  –  O executivo que ficou conhecido como o “homem mais odiado dos Estados Unidos” foi condenado a sete anos de prisão nesta sexta-feira. Martin Shkreli ganhou esse título por ter inflado o preço de medicamentos para controlar os efeitos da aids, quando comandava a Turing Pharmaceuticals. Agora, passará quase uma década na cadeia por crimes financeiros: ele foi considerado culpado por promover fraudes em fundos de investimento que controlava. O executivo estava à frente de dois fundos de investimento, o MSMB Capital e o MSMB Healthcare.

Segundo as investigações, ele enviou declarações falsas que escondiam grandes perdas apuradas, prejudicando investidores. O executivo também foi acusado de manipular o mercado para fazer subir os preços das ações da Retrophin, empresa farmacêutica fundada por ele em 2011.

Além dos anos de prisão, Shkreli terá de pagar uma multa de US$ 75 mil. A decisão da Justiça foi menor que os 15 anos pedidos pelos procuradores, mas muito maior que os 12 a 18 meses que os advogados de defesa buscavam.

Segundo o site CNN Money, o executivo pediu desculpas e chegou a chorar após a sentença ser proferida. “Eu olho para trás e fico constrangido e envergonhado. Estou terrivelmente arrependido, perdi a confiança de vocês”, disse aos investidores.

O advogado de Shkreli, Benjamin Brafman, disse que estava “desapontado” com a sentença: “Achei que a sentença deveria ter sido menor que sete anos. Mas Martin está e ficará bem, e obviamente poderia ser bem pior.” Já a procuradora assistente Jacquelyn Kasulis argumentou que o pedido de 15 anos se justificava porque os crimes de Shkreli não foram isolados, mas representavam um padrão de conduta, incluindo fraudes separadas para seus dois fundos de investimento e para sua empresa farmacêutica.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!