Nissan negocia postos de recarga de energia para abastecer o Leaf – Jornal do Comércio

A Nissan, marca líder em vendas de carros elétricos no mundo, negocia com empresas geradoras e distribuidoras de energia de vários Estados brasileiros a instalação de postos de recarga para garantir o abastecimento do novo Leaf, modelo 100% movido a eletricidade que chegará ao País em 2019.

A infraestrutura é um dos itens que pode definir a demanda pelo modelo que também será vendido em outros sete países da América Latina. Outro item é o preço. Hoje, o carro custaria cerca de R$ 220 mil, calcula o presidente da Nissan do Brasil, Marco Silva.

“Inicialmente será um nicho de mercado, mas gostaríamos de chegar a um preço próximo de um modelo similar (a combustão)”, diz Silva, para quem a redução da alíquota do IPI, hoje de 25%, seria importante.

A decisão de reduzir o imposto para elétricos e híbridos está nas mãos do governo, assim como o anúncio do novo regime automotivo, o Rota 2030. Ambos foram prometidos para fevereiro, mas estão travados.

A Nissan também estuda lançar uma versão do utilitário Kicks híbrido (com motor a combustão e bateria), além de realizar, ainda este ano, novos testes com um protótipo a célula de combustível, cujo hidrogênio é gerado por etanol.

Na sexta (9) a Nissan apresentou em São Paulo as tecnologias futuras que desenvolve globalmente, especialmente para carros autônomos.

O grupo tem uma equipe que visita os países, incluindo o Brasil, para identificar a cultura local do trânsito. O objetivo, explica a cientista Melissa Cefkin, é prover a inteligência artificial dos carros autônomos para agirem de acordo com a situação local e tomar decisões, sobretudo em emergências.

Ver carros sem motoristas nas ruas brasileiras, porém, vai demorar. Silva diz que, no Japão, onde já ocorrem testes, a previsão de lançamento é 2022. “No Brasil, vai demorar mais 10 a 15 anos.”

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!