Petróleo opera em baixa, de olho na produção dos EUA e em divergências na Opep – Jornal do Comércio

Índice para abril caía 0,77%, a US$ 61,56 o barril

AGÊNCIA PETROBRAS/DIVULGAÇÃO/JC

Os contratos futuros de petróleo operam com sinal negativo na manhã desta segunda-feira (12). A preocupação com o rápido avanço na produção dos Estados Unidos e aparentes divergências dentro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) são responsáveis pelo movimento.

Às 9h26min (de Brasília), o petróleo WTI para abril caía 0,77%, a US$ 61,56 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para maio recuava 0,78%, a US$ 64,98 o barril, na ICE.

Diferentes opiniões entre os membros da Opep sobre se os preços mais altos poderiam estimular o xisto americano e prejudicar o mercado apareceram neste fim de semana. O Irã quer que o cartel trabalhe para manter os preços em cerca de US$ 60 o barril, a fim de conter o ímpeto de produtores de xisto dos EUA, disse o ministro do Petróleo Bijan Zanganeh ao Wall Street Journal em uma rara entrevista. Já a Arábia Saudita minimizou a capacidade do xisto de prejudicar o mercado e indicou que um barril a US$ 70 é aceitável. “A forte retomada do xisto começa a chamar mais a atenção”, afirmou Bjarne Schieldrop, analista-chefe de commodities da SEB Markets. Segundo ele, a alta nos estoques e vozes da Opep que preferiam o barril mais barato pressionam os contratos.

A Opep e alguns países de fora do bloco, como a Rússia, têm levado adiante um acordo para cortar a produção e apoiar os preços. O valor do petróleo subiu mais de 20% nos últimos seis meses, mas os futuros têm sido pressionados por prognósticos pessimistas no curto prazo, diante da forte produção dos EUA.

Investidores agora buscam antecipar o próximo movimento da Opep. O temor com a produção dos EUA deve dominar a reunião de junho do cartel, em Viena. “Eles não vão jogar a toalha e dizer que não se importam mais com isso”, previu Schieldrop. “Mas podem dizer que não é possível ter esses preços altos e reduzir os cortes”, avaliou. 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!