Cobre opera em leve alta, com menor temor sobre guerra comercial – Jornal do Comércio

Os contratos de cobre operam em alta modesta na manhã desta terça-feira (13). De acordo com alguns agentes do mercado, eles são apoiados pela percepção de que há menos risco de uma guerra comercial, após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciar tarifas à importação de aço e alumínio. O metal, porém, era contido pelo dólar mais forte.

Às 8h40min (de Brasília), o cobre para três meses subia 0,25%, a US$ 6.931,50 a tonelada, na London Metal Exchange (LME), e o cobre para maio subia 0,05%, a US$ 3,1255 a libra-peso, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), às 8h52.

Os metais básicos, como o cobre, ficaram sob pressão após Trump anunciar as tarifas. Há o temor de que elas se concretizem e de que possam ser lançadas medidas retaliatórias da China e da União Europeia.

Analistas do Commerzbank escreveram em nota que o quadro mais tenso inicial perdeu fôlego, já que alguns países claramente tentam negociar acordos bilaterais com os EUA que poderiam livrá-los das tarifas. A China também indicou que não pretende se envolver uma guerra comercial, na avaliação do banco alemão. O dólar, por sua vez, se valorizava ante outras moedas fortes em geral. Com isso, o cobre fica mais caro para os detentores de outras divisas.

Entre outros metais básicos, o alumínio operava estável, a US$ 2.091 a tonelada, o zinco tinha alta de 1,33%, a US$ 3.283 a tonelada, o estanho subia 0,19%, a US$ 21.420 a tonelada, o níquel avançava 1,06%, a US$ 13.830 a tonelada, e o chumbo tinha ganho de 2,25%, a US$ 2.388 a tonelada. 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!